Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Caso que pode incriminar Teixeira vai ao Supremo Tribunal da Suíça

Episódio de suposta corrupção da Fifa envolvendo a ISL, empresa que já faliu, também cita João Havelange, ex-presidente da entidade

AE |

selo

Futura Press
Ricardo Teixeira é um dos citados no caso de corrupção da ISL
O caso de corrupção na Fifa envolvendo a ISL, que cita a participação de Ricardo Teixeira, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), será avaliado pelo Supremo Tribunal Federal da Suíça após serem apresentados recursos para impedir a publicação de um documento-chave. O tribunal disse nesta quinta-feira que abriu cinco processos em separado, que podem levar meses para serem analisados.

Leia mais: Dirigentes do COI escapam de suspensão no caso ISL

O tribunal afirmou que as identidades dos recorrentes deve permanecer confidencial. Os recursos foram contra uma decisão de dezembro do Superior Tribunal do do estado de Cantão de Zug exigir que a Fifa publicasse o dossiê com os nome dos dirigentes que receberam propina em negociação pelos direitos de transmissão da Copa do Mundo.

Confira ainda: Blatter marca reunião com Dilma e revela licença de Teixeira

O documento supostamente identifica os dirigentes que admitiram ter recebido propinas, e pagaram US$ 6,1 milhões para permanecerem anônimos. A tentativa da Fifa de manter em segredo o conteúdo foram atrapalhados pela imprensa, com um programa da BBC. Além de Ricardo Teixeira, João Havelange, ex-presidente da Fifa, também é citado no escândalo.

A Fifa, porém, disse em dezembro que apoiava a decisão do tribunal de Zug e não recorreria porque a decisão "corresponde à posição da Fifa e do seu presidente, Joseph Blatter, para abrir o arquivo do caso ISL".

E mais: "Este é um dia negro para o futebol", diz Blatter

A revelação dos detalhes do incidente se tornou decisivo para Blatter cumprir a promessa de combater a corrupção na Fifa, feita após uma série de escândalos atingirem membros do seu comitê executivo. Em outubro, o presidente prometeu liberar o documento do tribunal de Zug. Mas a Fifa adiou a publicação, citando "medidas legais" tomadas por uma das partes envolvidas no escândalo da ISL. A Fifa, porém, não identificou os responsáveis pelos recursos.

Com a revelação da BBC, Havelange renunciou ao seu cargo no COI (Comitê Olímpico Internacional) em dezembro, dias antes da abertura de uma ação na Comissão de Ética do COI que poderia lhe render uma punição. Parceira de marketing da Fifa, a ISL faliu em 2001.

Leia tudo sobre: fifaisljoseph blatterricardo teixeirajoão havelange

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG