Tamanho do texto

Com 4 a 0, e dois golaços de Messi, Barcelona leva segundo título. Neymar joga mal e partida não tem nada de "Jogo do Século"

Messi tenta passar por Henrique. Argentino fez o primeiro gol da decisão
Newscom
Messi tenta passar por Henrique. Argentino fez o primeiro gol da decisão
Barcelona e Messi confirmaram neste domingo, em Yokohama, no Japão: são os melhores do mundo. Com atuação apática de Neymar , e um Santos retrancado e perdido em campo, os espanhóis tocaram a bola, colocaram os brasileiros na roda e confirmaram o favoritismo vencendo por 4 a 0, dois de Messi.

Com 23 minutos já estava 2 a 0, com duas falhas do zagueiro Durval – Muricy Ramalho optou por um esquema com três zagueiros, deixando Elano no banco. Foi o segundo título mundial do Barcelona e o Santos perdeu uma decisão destas pela primeira vez.

E MAIS: Final na Vila Belmiro tem Messi xingado e cornetadas na TV Globo

O duelo Messi x Neymar, que fez a partida ser chamada de “jogo do século”, não aconteceu porque o brasileiro esteva nervoso em campo, assustado com a pressão por ser “o cara”, aos 19 anos, em uma final de mundial contra os melhores do mundo. Messi estava calmo, sereno, dando as arrancadas fantásticas e passes precisos. Com um Xavi (que até hoje só não foi escolhido o melhor do mundo porque existe Messi) inspirado, o Barcelona fez o Santos parecer um time de juvenis.

O Santos só conseguiu tocar passes pela primeira vez aos cinco minutos e chutar aos 26, quando já perdia por 2 a - Borges finalizou e Valdés defendeu. Pouco antes, com 20 minutos, o Barça tinha tido 74% da posse de bola, mostrando sua principal característica e que Muricy Ramalho não conseguiu neutralizar com a ideia de fazer marcação pressão na saída de bola espanhola.

LEIA TAMBÉM: São-paulinos não são aceitos por santistas no estádio em Yokohama

Na arquibancada, a torcida do Barcelona superou os santistas em quantidade. Cerca de 80% dos japoneses torceram pelos espanhóis. No entanto, os santistas eram mais barulhentos no estádio Yokohama, e vibravam sempre que sua equipe realizava alguma jogada de sucesso. O técnico Muricy Ramalho ficou em pé e gritava bastante até o Barcelona abrir o marcador. Depois, o treinador viu sentado o segundo gol dos espanhóis e só levantou por alguns segundos no final da primeira etapa.

Nos dois primeiros gols, falhas de Durval: primeiro ele furou o chute em passe de Xavi para Messi, O argentino dominou com classe e com mais categoria ainda deu um “totózinho” por cima de Rafael. No segundo gol, o zagueiro não cortou o cruzamento que sobrou para Xavi completar com eficiência. No terceiro, jogada individual de Messi, e bola sobrando para Fábregas na frente de Rafael – o espanhol sem problema concluiu no canto esquerdo.

Acordou, mas só um pouquinho
Paulo Henrique Ganso estava em campo no segundo tempo. Neymar, não. Aos 12 minutos, lance que sintentizou a participação do melhor jogador brasileiro na atualidade: passe milimétrico de Ganso, e o atacante do topete imitado invadiu a área livre e chutou em cima de Valdés.

Não que o Santos dominasse o jogo, bem longe disso. O Barcelona continuava tocando como se fizesse uma roda de bobinhos. E perdia gols, o que evitou um desastre maior no Japão. Thiago, Daniel Alves e (pasmem) até Messi chutou uma bola nas pernas de Rafael. Neymar ainda deu um chute torto que foi parar na lateral, e esboçou ser o garoto sapeca em uma jogada na lateral, quando brincou com ela na frente de Abidal e Mascherano. Foi pouco.

O Barcelona em nenhum momento parou de tentar o gol. Foram duas bolas na trave, uma com Pedro, revelação espanhola que mostra a força da base do time da Catalunha: nove jogadores que começaram a partoda foram formados no clube, incluindo Messi, que chegou a Barcelona com 15 anos. E o argentino acabou com a festa como gosta: driblando o goleiro, festejando, como o melhor do mundo.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 4 BARCELONA

Data :18 de dezembro de 2011 (domingo)
Hora : (8h30 de Brasília e 19h30 horário do Japão)
Local: Estádio Nissan Yokohama, em Yokohama (Japão)
Público : 68.166 pagantes
Gols: Messi, aos 16 min, Xavi, aos 23 min e Fábregas, aos 45 min do 1°T, Messi, aos 37 min do 2°T
Cartões amarelos : Piqué, Edu Dracena
Árbitro : Ravshan Irmatov (Uzbequistão)
Assistentes : Abdukhamidullo Rasulov (UZB) e Bakhadyr Kochkarov (QUI)

SANTOS:  Rafael; Edu Dracena, Durval e Bruno Rodrigo; Danilo (Elano), Arouca, Henrique, Paulo Henrique Ganso (Ibson) e Léo; Neymar e Borges (Alan Kardec)
Técnico: Muricy Ramalho

BARCELONA:  Valdés; Daniel Alves, Puyol, Piqué (Mascherano) e Abidal; Busquets, Xavi, Iniesta, Thiago Alcântara (Pedro) e Fábregas; Messi
Técnico: Josep Guardiola

    Leia tudo sobre: lionel messi