Modelos se pronunciaram um dia após a decisão da categoria de retirá-las dos GPs: "Usamos mais roupas do que adolescentes no supermercado"

Algumas modelos se pronunciaram, nesta quinta-feira, através de suas redes sociais, sobre a decisão da Fórmula 1 , anunciada um dia antes, de acabar com as grid girls a partir desta temporada. Elas criticaram a atitude da categoria e também as pessoas que julgam os empregos como os seus sem o devido conhecimento.

Leia também: Fórmula 1 anuncia fim das "grid girls" em suas provas a partir desta temporada

Depois da decisão da Fórmula 1, algumas grid girls se pronunciaram contra a saída dos GPs
Reprodução
Depois da decisão da Fórmula 1, algumas grid girls se pronunciaram contra a saída dos GPs

"E o inevitável aconteceu, as grid girls estão banidas da F1. É ridículo que mulheres que dizem que ‘brigam pelo direito das mulheres’ queiram determinar o que outras devem ou não fazer, nos impedindo de fazer um trabalho que amamos e do qual nos orgulhamos. O politicamente correto ficou louco", escreveu Rebecca Cooper, modelo que trabalhou como grid girl da F1 cinco vezes, em seu Twitter.

Rebecca disse ainda que as mulheres que trabalham com automobilismo têm sua imagem deturpada e que não são como "móveis pouco revestidos" ou tem a intenção de "provocar" os outros, que são casos de frases que ouvem, segundo ela. Juntamente com o protesto, ela publicou fotos das roupas que já usou como grid girl.

Leia também: Carro usado por Senna em última vitória na F1 será leiloado em maio

Quem também se pronunciou de forma contrária ao fim de mulheres antes das provas de F1 foi Michelle Westby, que, além de ser modelo no mundo de esportes a motor, trabalha como piloto dublê e em corridas de drift.

“Se eu não fosse grid girl, não estaria onde estou hoje, em um ambiente predominantemente dominado por homens, inspirando e influenciando outras mulheres a buscarem seu espaço. Recebo mensagens o tempo todo dizendo que sou inspiração. O que as pessoas não percebem é que conhecemos os produtos e as equipes que estamos promovendo, é parte do nosso trabalho também”, criticou.

Leia também: Quatro anos após acidente, família de Schumacher gastou mais de R$ 110 milhões

“E os uniformes, cabe a nós nos sentirmos à vontade neles. Estamos mais vestidas do que adolescentes que vão ao supermercado. É frustrante pensar que muitas meninas perderam sua fonte de renda porque feministas pensam que sabem mais do que realmente sabem, quando não tem ideia de como é nosso trabalho”, acrescentou Michelle.

Outras mudanças

Além da saída das grid girls, a Liberty Media já começou, no ano passado, uma estratégia de reaproximação dos fãs com o melhor uso das redes sociais. Mais recente, a empresa atualizou o logo da Fórmula 1. A primeira corrida desta temporada será no dia 25 de março, na Austrália. Sem Felipe Massa, o Brasil não terá representantes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.