iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Vôlei

01/06 - 14:38

"Foi coisa de coração", diz Ricardinho sobre volta ao vôlei brasileiro
Para levantador, jogar no País não o garantirá na seleção, mas ajudará na aproximação com os outros jogadores

Aretha Martins, iG São Paulo

Ricardinho, que viveu uma das grandes crises da seleção brasileira de vôlei com o corte às vésperas do Pan-Americano de 2007, está de volta. O levantador assinou contrato de dois anos com o Vôlei Futuro e retorna ao Brasil depois de seis temporadas na Itália. Em entrevista exclusiva ao iG, Ricardinho diz que a escolha do time foi de coração e que está tranqüilo em relação ao volta para a seleção brasileira.

O Vôlei Futuro

“Não foi a melhor proposta financeiramente, mas eu percebi a paixão da Marcela (Constantino, diretora do Vôlei Futuro) pelo voleibol. Me encantei com a maneira dela conduzir o projeto e ter trabalhos com crianças e incentivo ao esporte. Poderia ter acertado com a Rússia, que já tinha o time lá completinho, mas não seria a mesma coisa. Foi uma coisa de coração”, disse o levantador. Ele chegou a receber propostas de time brasileiros como Sesi, de São Paulo, e Sada Cruzeiro e Vivo/Minas, de Minas Gerais, além de uma equipe russa.

“Estou super contente e não esperava conseguir voltar porque eu tinha mais dois anos de contrato na Itália (com o Sisley Treviso). Gostei muito de poder voltar para uma cidade de interior como é Araçatuba porque já estávamos acostumados a isso na Itália, em Modena e em Treviso. Também sou de Maringá, que é uma cidade de interior”, afirmou Ricardinho, que esperou acabar a sua participação no Campeonato Italiano (seu time foi eliminado na semifinal) e vir para as férias no Brasil para decidir o futuro.

Vontade das filhas

Depois de seis anos jogando na Europa, a saudade pesou. “A vontade de voltar começou com a minha filha mais velha, a Júlia, que está com 13 anos. Ela já estava reclamando, conversando sobre isso com a minha esposa, a Fabiana, que também estava querendo voltar, com saudades da família. Foi uma decisão por causa delas”. Ricardinho aproveita as férias em Maringá, interior do Paraná, ao lado da família e se apresenta ao Vôlei Futuro no dia 20 de julho.

A seleção brasileira

Ricardinho cortou suas relações com a seleção brasileira no Pan-Americano do Rio de Janeiro, em 2007. Ele foi cortado por Bernardinho às vésperas do torneio e nenhum jogador sabia da decisão do técnico. Na época, ele deixou o time magoado com companheiros e com o treinador e chegou até a dizer que seleção era coisa do passado e que não vestiria mais a camisa verde a amarela. O jogador até foi relacionado para outros campeonatos, mas a reconciliação parecia ainda longe.

A reaproximação aconteceu em abril deste ano, quando Ricardinho ligou para Bernardinho e, depois de algumas conversas, teve seu nome na pré-lista para a Liga Mundial. Entretanto, o levantador ficou de fora da lista final. Só que, dessa vez, sem mágoas.

“Foi eu que pedi para não voltar agora. Eu precisava de um tempo, para arrumar a volta ao Brasil, me adaptar e adaptar a família de volta, arrumar escola para as minhas filhas e conseguiria fazer isso e me dedicar à seleção brasileira. Por isso falei com o Bernardo e pedi isso a ele”

Ricardinho ainda afirma que não pensava em ser convocado pelo técnico. “Eu não tinha pensado em voltar para a seleção. Eu tinha vontade de voltar a falar com os caras porque todos nós ficamos tristes com toda a situação. Não só os jogadores, mas também os brasileiros. Esse foi o primeiro passo e era o mais importante e o mais difícil depois de tudo o que aconteceu. Foi muito tempo até tentar resolver. Foram três anos, mas poderiam ter sido meses ou um ano. Mas agora estou bem calmo”

Ele ainda fala que já conversou com antigos companheiros. “Conversei com alguns jogadores sobre essa reaproximação sem muitas firulas, sem ficar relembrando tudo o que aconteceu. Foi mais ‘oi, como você está, como está a sua família’. Falei com Giba, Gustavo, Murilo e Anderson, que eu encontrei no aeroporto. Foi tudo muito tranqüilo. Não ficamos só falando do passado. O importante são falar das coisas de agora. ”

Futuro na seleção

Ricardinho parece feliz com a sua retomada da relação com jogadores e Bernardinho e afirma que a volta ao Brasil pode colaborar ainda mais com a reaproximação. “Pode ajudar já que vamos nos encontrar nos campeonatos quando eles voltarem da seleção. Agora não vai mais depender tanto de telefone ou do fuso para saber quando vamos conseguir conversar”.

O levantador também espera novas conversas com Bernardinho para saber de estará na lista do Campeonato Mundial , que será em setembro. “O que deveria ter sido feito já estamos fazendo, que é tentar a reaproximação. Agora é esperar. Se puder, vou voltar. Vou esperar o momento para conversar de novo com ele e ver como serão as coisas”.

Ricardinho pretende assistir aos jogos da Liga Mundial. O Brasil estreia no torneio em Uberlândia, nos dias 4 e 5 de junho, contra a Bulgária. “Eu costumo acordar cedo normalmente e se tiver acordado, eu vou assistir aos jogos, porque não? Até para ver como o time está. Mas não vou colocar relógio ou nada assim para despertar”.


Leia mais sobre: Ricardinho vôlei Vôlei Futuro

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Divulgação

us ricardinho

Ricardinho
Levantador vestia a camisa do Sisley Treviso desde a temporada 2008/2009

Topo
Contador de notícias