iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Vôlei

25/05/2009 - 17:04

Jogadores do Sesi-SP confiam na participação na próxima Superliga
Time aguarda um dos convites da Confederação Brasileira de Vôlei para disputar a principal competição nacional

Por Aretha Martins, do iG Esporte


SÃO PAULO – O Sesi-SP apresentou seu time de vôlei masculino na manhã desta segunda-feira. No elenco, jogadores renomados como Anderson, Filipe e Chupita e promessas como Gustavão e Thiago Barth. O time vai começar a trabalhar junto no dia 8 de junho, mas ainda não sabe se terá um lugar na próxima Superliga.

A nova equipe paulistana foi fundada depois do prazo final para as inscrições para a Liga Nacional, o campeonato de acesso, que dá aos dois melhores times vagas na Superliga. Agora, o Sesi-SP espera um dos convites da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) para poder disputar a principal competição do vôlei nacional.

Com o investimento de R$ 5 milhões e um ano de contrato, jogadores e comissão Sesi não se mostram preocupados. “São duas cartas-convite e o Ary (presidente da CBV) conhece os atletas e o prestígio de Giovane. Tenho muita convicção de que um desses convites será para o Sesi”, explicou o ponteiro Felipe Chupita, que volta ao Brasil depois de jogar seis temporadas no exterior.

Ao menos duas vagas ficaram abertas da Superliga 2008/2009. O final do Unisul deixou uma vaga e a Ulbra é mais uma equipe a sofrer com patrocinadores e não está confirmada ainda para nova temporada.

Além disso, Filipe já passou por uma situação parecida com a vivida pelo time do Sesi e tem motivos para permanecer confiante. O ponteiro foi campeão com o extinto Banespa em 2004/2005 e, logo depois, se transferiu para a nova equipe do Wizard. O time terminou em terceiro lugar na Liga Nacional e ficaria de fora da Superliga.

“Ali bateu um desespero”, lembrou Filipe. Pouco depois, seu time recebeu um dos convites da CBV. “Agora eu nem cheguei a pensar nisso, de não jogar. Os convites estão aí e nos dão uma tranquilidade a mais. A CBV vai entender que a equipe saiu depois do prazo para a Liga e vai resolver”, falou o jogador. Filipe acredita que o Sesi-SP vai seguir o mesmo caminho do Wizard e disputar a Superliga. “É muito difícil isso não acontecer”, completou.

Time para disputar com os grandes
Mesmo sem a presença confirmada na Superliga, Giovane e a presidência do Sesi garantem um time para lutar de igual para igual com os outros e faturar o titulo nacional. “Todos vão fazer uma boa disputa e acredito em todos da equipe. Vamos disputar para ganhar”, afirmou Paulo Skaf, presidente do Sesi.

Giovane também fez questão de lembrar que montou um time com atletas com vontade de jogar. “Os atletas não estão aqui pelo dinheiro, mas porque acreditam no projeto. Tanto que eu evitei jogadores que estivessem em leilão ou que fizessem uma oferta em dinheiro”, explicou o técnico. “O time tem chance de vencer a Superliga”, assegurou Giovane Gavio.

A filosofia do time também agrada aos jogadores. “As únicas estrelas do time são Anderson e Giovane. Isso faz com que todo mundo se aproxime mais e fique muito mais amigo dentro e fora das quadras. É um time de pessoas e não de estrelas”, disse Felipe Chupita.

Anderson reconhece que o antigo time da Unisul tinha jogadores mais renomados que o Sesi, com estrelas como o levantador Marcelinho e o ponteiro Rocca, além dos próprio oposto. “Mas papel é uma coisa que não ganha jogo. Agora a gente tem a juventude aqui e a vontade de jogar. Eu me sinto uma criança”, explicou Anderson.

Enquanto a vaga da Superliga não sai, o Sesi já  sabe quais serão seus primeiros compromissos. O time joga o Campeonato Paulista e também está confirmado para um torneio internacional, nos Estados Unidos.

Crise não assusta
O Sesi-SP também não se preocupa com a crise de patrocinadores que assombra o vôlei. “A crise está grande e está no mundo inteiro. Até no Japão, que é sempre muito equilibrado, tem time fechando com um estalar de dedos”, explicou Anderson. “Mas o Brasil é uma grande potência no esporte e o Sesi fez um investimento concreto para a temporada”, completou.

Chupita concorda com o veterano. “O Sesi fez o investimento no time e sempre foi muito transparente. Aqui vamos ter suporte, com ginásios reformados, vestiários novos. Não temos com o que nos preocupar. E todo mundo aqui veio jogar com vontade e não porque o dinheiro é o mais importante, então isso não assusta ninguém”, disse o atacante.


Leia mais sobre: vôlei Sesi

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias