Tamanho do texto

Ex-tenista tcheca acredita que compatriota Kvitova, vice líder da WTA, tem mais méritos que a dinamarquesa

Para a tcheca Martina Navratilova, a dinamarquesa Caroline Wozniacki não deveria ocupar a liderança do ranking mundial. A ex-tenista, que tem nacionalidade norte-americana, criticou o sistema da WTA para organizar a lista e elogiou a compatriota Petra Kvitova , que, em sua opinião, mereceria ser a atual número 1.

Leia também: Kvitova quebra jejum contra Ivanovic e duela com adversária italiana

"É evidente que ninguém sente que a Wozniacki é a verdadeira número 1. Se ainda existisse o mesmo sistema de seis anos atrás, que dava pontos de bonificação por vencer jogadoras, Kvitova seria a número 1, porque venceu mais tenistas que Wozniacki", declarou Navratilova, ganhadora de 18 Grand Slams, nesta segunda-feira, em Melbourne.

A ex-jogadora ainda lembrou que a Fed Cup não conta pontos para o ranking mundal, diferentemente da Copa Davis, algo que ela vê como prejudicial para Kvitova. "Em 2011, Wozniacki foi a número 1 porque conseguiu, de longe, o melhor registro, mas nunca nos Grand Slams. A Caroline não precisa explicar porque é a número 1, é a WTA que precisa explicar", declarou.

E ainda: Wozniacki derrota Jankovic com pneu e duela contra Clijsters

Atual número 2 do mundo, Kvitova, campeã de Wimbledon-2011, ganhou elogios da veterana, que prevê um domínio da compatriota nas próximas temporadas. "Nos últimos anos, ela perdeu partidas ou concentração, mas agora voltou e é forte. Fico contente por não estar do outro lado da rede", brincou a ex-jogadora.

Além de elogiar Kvitova, Navratilova apontou Victoria Azarenka, da Bielorússia, como provável finalista do Aberto da Austrália. "Ela está jogando bem e escalando posições. Nunca disputou a final de um Grand Slam, mas está buscando mais e mais. Não está preocupada com a classificação, só quer ser a melhor jogadora que pode, o que é uma grande atitude", disse.

Ao falar sobre o tênis masculino, Navratilova classificou o circuito como "relativamente estável" graças a quatro astros, o sérvio Novak Djokovic , o espanhol Rafael Nadal , o suíço Roger Federer e o escocês Andy Murray . "As mulheres perderam a rivalidade e os êxitos de bilheteria que a ATP desfruta", comparou a ex-tenista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.