Tamanho do texto

Saideira de Guga, jogo em pleno 11 de setembro, jovem Nadal e os 15 minutos de fama de um tcheco estão entre os episódios memoráveis

Durante os 11 anos de disputa do Brasil Open na Costa do Sauípe, era natural se esperar que a história do torneio se confundisse um pouco com a do melhor tenista do pais, Gustavo Kuerten.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Guga conquistou dois títulos na Bahia, mas também viveu alguns momentos dolorosos, como o jogo de despedida de quadras brasileiras e um episódio estranho num jogo de pouca importância num dia em que o esporte era das menores preocupações do mundo todo.

Leia mais sobre tênis no blog do Paulo Cleto

Outros brasileiros tiveram chance de brilhar em casa, mas o Brasil Open também contou com figuras proeminentes da década passada, incluindo um emergente espanhol chamado Rafael Nadal, campeão aos 17 anos, ou nem tão laureadas assim: ou você conhece mesmo o Jan Vacek?

Guia Brasil Open 2012: como e quem assistir

O iG relembra cinco momentos do torneio:

O 20º troféu
Uma final polêmica em 2004, com mais de um dia de duração, e foi de modo custoso assim que Gustavo Kuerten conquistou seu 20º e ultimo troféu no circuito profissional. O catarinense travou tenso embate com o argentino Agustín Calleri em jogo que começou no sábado, foi interrompido por chuva – e um pouco de milonga por parte do adversário – e terminou no domingo. Em sua primeira metade, o brasileiro foi derrotado por Calleri no tie-break por 7-6 (7-4). Guga reagiu e venceu a segunda parcial por 7-5. Em baixa no jogo, o argentino reclamou de um início de chuva com a arbitragem, requisitou atendimento médico. Durante a parada, o tempo piorou, e o jogo foi paralisado. No dia seguinte, Kuerten ganhou o tie-break final por 7-2, enquanto o rival era duramente vaiado pelo público, situação só contornada quando o campeão pediu aos torcedores que o aplaudissem. Inconformado, Calleri depois protestou afirmando que o brasileiro sempre foi muito respeitado na Argentina.

Não tinha clima
No dia 10 de setembro de 2001, em seu aniversário de 25 anos, o número um do mundo Gustavo Kuerten recebeu de Monica Seles um bolo em quadra, cantou parabéns com a torcida e não pôde comemorar tanto, afinal ainda havia a estreia pela frente. Pois, quando ele foi para quadra enfrentar o compatriota Flávio Saretta, poucas horas depois da queda das Torres Gêmeas e do ataque aos Estados Unidos, no dia 11 de setembro de 2001, era difícil encontrar qualquer foco nesta partida. No fim, Saretta, 113 postos abaixo no ranking, venceria de virada por 4-6, 6-2 e 6-4, em 111 minutos de partida, claro. Curiosamente, os dois ainda se enfrentariam em 2007, pela segunda rodada, e o paulista voltaria a vencer.

Aos 17 anos, Rafael Nadal virou sobre Ricardo Mello na semifinal e caminhou para o título em 2005
Reuters
Aos 17 anos, Rafael Nadal virou sobre Ricardo Mello na semifinal e caminhou para o título em 2005

Esse vai longe
Ricardo Mello estava muito bem posicionado em um dos duelos das semifinais de 2005, sacando no terceiro set com uma vantagem de 4-2. Apesar da pressão no placar e da pouca idade, aos 17 anos Rafael Nadal não estava nem aí. Brigou por cada ponto e acabou vencendo os quatro games seguintes para bater o brasileiro de virada e caminhar para o segundo titulo de sua carreira. A partir dali, Nadal ainda perderia um jogo no saibro de Valencia (para o russo Igor Andreev, nas quartas de final), mas desandaria a ser um supercampeão nesta superfície, ganhando Acapulco, Barcelona, os Masters Series de Roma e Monte Carlo e o primeiro Roland Garros.

Jan quem?
Com a queda precoce de Guga, coube ao veterano Fernando Meligeni representar o pais na decisão de 2001, contra o grandão tcheco Jan Vacek, fora de seu hábitat preferido, o saibro. O tcheco já havia batido três brasileiros na chave (Jaime Oncins, Flavio Saretta e Alexandre Simoni) e ainda teve gás para vencer a final por 2-6, 7-6 (7-2) e 6-3. No fim, esse foi o auge da carreira de um tenista que perdeu 60 dos 90 jogos que disputou na elite do tênis. Parou ao final de 2008, com 32 anos, fora do top 200 do ranking.

A saideira de Guga
Reunido com Larri Passos, já ciente de que não tinha mais condições físicas para competir no circuito, Gustavo Kuerten organizou um giro de despedida em 2008, aos 31 anos. Depois de jogar o Challenger de Florianópolis, Guga foi para a Bahia, enfrentando o argentino Carlos Berlocq na primeira rodada, sendo derrotado por 7-5 e 6-2. No final, muito choro e aplausos em quadra em sua última partida como profissional em quadras brasileiras. Meses depois, ele se aposentou para valer em Roland Garros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.