Tamanho do texto

Sérvio afirmou ter ficado honrado com a presença do argentino na vitória diante do tcheco Tomas Berdych

Tomas Berdych saca e o juiz de linha canta bola fora. Novak Djokovic corrige a arbitragem, diz que a bola foi boa e dá o ponto para o adversário. A atitude não é tão rara no tênis. A ética entre os tenistas talvez seja mais comum do que em outros esportes. O lance foi visto nesta segunda-feira, na Arena O2, em Londres, pelo argentino Diego Armando Maradona. E, claro, na Inglaterra, a Mão de Deus foi lembrada novamente.

Não concordo que o Maradona tenha que aprender comigo. Eu que tenho que aprender com ele, que é mais velho, disse Djokovic. É um grande prazer saber que ele estava aqui, talvez o maior da história em seu esporte, completou. Questionado se Maradona estava de férias, Djokovic foi irônico. Não, ele é meu técnico, não sabia? Me ajuda em alguns golpes específicos, em bolas altas, com as mãos, brincou.

O atual número 3 do ranking venceu com facilidade Tomas Berdych, por 2 sets a 0, duplo 6/3. Único estreante do ATP Finals, o tcheco admitiu que o nervosismo atrapalhou sua performance nesta segunda-feira. Se eu disser que não estava, estarei mentindo. Foi meu primeiro jogo neste torneio e estava um pouco nervoso, principalmente no começo, admitiu o tcheco. É tudo diferente para mim, serve como aprendizado para me firmar entre os tops, completou.

 Aos 24 anos de idade, Berdych foi vice-campeão em Wimbledon e semifinalista em Roland Garros, em 2010. Mas, vive um momento de instabilidade. Não consegue duas vitórias consecutivas desde agosto. Preciso lutar contra esta situação. É duro, claro, a confiança só vem com as vitórias, afirmou Berdych.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.