Tamanho do texto

Espanhol repete uma série de manias a cada saque e chega a prolongar uma partida por até uma hora. Rivais não gostam nada disso

Rafael Nadal já escreveu seu nome na história do tênis. Além do estilo de jogo agressivo e da coleção de títulos, na qual se destacam seis conquistas em Roland Garros , o espanhol também chama atenção por algumas ‘maluquices’ em quadra, uma série de rituais inusitados que irritam adversários e prolongam partidas.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Arrumando a água
No intervalo entre os games, Nadal vai até a cadeira e pega duas garrafas de água. O espanhol toma um gole de cada frasco e os coloca no chão, exatamente no mesmo lugar onde estavam. Além disso, ajeita as garrafas com o rótulo virado para a quadra, de modo simétrico.

Ritual no saque
A mania mais famosa de Rafael Nadal ocorre no momento de seu saque. Em um ritual quase ‘religioso’, o espanhol bate a raquete no tênis, dá uma ajeitadinha primeiro na cueca, depois no cabelo, e por fim coça o nariz. Sim, Nadal repete os gestos em todos os saques. O tenista repete todo o processo ao receber o serviço de seu adversário.

Leia mais sobre tênis no blog do Paulo Cleto

No Masters 1000 de Roma, do qual é hexacampeão, o espanhol repetiu o gesto quando sacava ou recebia por incríveis 488 vezes ao longo de quatro partidas. Só na final contra Djokovic o ritual se repetiu em 143 oportunidades.

Rafael Nadal repete gestos em todos os seus saques
Getty Images
Rafael Nadal repete gestos em todos os seus saques


Em Roland Garros, em 2011, os números são ainda mais espantosos. Rafael Nadal bateu a raquete no tênis, ajeitou a cueca, arrumou o cabelo e coçou o nariz 1518 vezes, divididas em sete jogos. Na partida contra John Isner, que durou cinco sets, o gesto foi repetido em 299 oportunidades.

Veja ainda:  Djokovic faz 25 anos com imitações, títulos e perto de nova marca

A partida em que Nadal repetiu o “roteiro” mais vezes foi a épica final do Aberto da Austrália deste ano. Na ocasião, o tenista número 2 do mundo foi derrotado por Novak Djokovic após incansáveis 5h53 min de partida e fez o seu ritual 369 vezes.

Mania gera lentidão e reclamações
Com o ritual sagrado de Nadal ao sacar, o espanhol demora mais do que os outros tenistas para colocar a bola em jogo. Geralmente, acaba ignorando uma determinação: os tenistas têm 25 segundos para sacar em torneios da ATP e apenas 20 nos Grand Slams.

Com a sequência de superstições, Nadal leva, em média, 32 segundos para colocar o serviço em quadra. Tamanha lentidão gera reclamações de adversários, como o suíço Roger Federer, que demora 17 segundos para sacar. Porém, dificilmente os árbitros do circuito profissional chamam a atenção de Nadal pela demora.

Essa mania faz com que as partidas de Rafael Nadal durem mais do que a maioria. Levando em conta os 203 saques efetuados por Nadal, a final do Aberto da Austrália duraria cerca de uma hora a menos se Federer sacasse no lugar do espanhol. Seriam 15 segundos a menos em cada saque, levando em conta a média de tempo gasto pelos dois tenistas. É preciso ter paciência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.