América-RN confia em SAF para retornar ao top 30 do Brasil
Foto: Reprodução
América-RN confia em SAF para retornar ao top 30 do Brasil

O América-RN tem uma história quase centenária, torcida apaixonada e infraestrutura em constante modernização para as categorias de base e o time profissional. O revés com a queda para a Série D, última divisão do Campeonato Brasileiro, claro, foi um baque, mas não minou a confiança da SAF que investe no clube desde setembro de 2023, um mês depois da queda.

Pedro Weber, CEO do grupo Hipe Capital, a sociedade anônima do futebol que agora detém 80% do clube, promete o investimento de 174 milhões de reais ao longo dos próximos cinco anos e recolocar o Mecão Potiguar entre os 30 ou 40 melhores times do Brasil. Orçamento e organização para isso existe. Os resultados em campo são naturalmente aguardados.

“Um clube de torcida sempre tem uma exigência muito rápida e de resultado. O América está bem abaixo do que poderia entregar. Hoje, está na quarta divisão e tem capacidade para ser um dos 30, 40 clubes do Brasil. Existe essa exigência de classificar para a Série C e até a nossa proposta de investimento contempla isso. A gente tem que ser o protagonista da Série C”, disse Weber. A última vez que o América de Natal disputou a Série A foi em 2007. Já a

A equipe, fundada em 1915, foi campeã estadual no ano passado, mas terminou a temporada rebaixada no cenário nacional. Atualmente, venceu o primeiro turno e uma nova conquista no segundo dá o título direto da competição. O calendário ainda contempla a segunda fase da Copa do Brasil, a penúltima antes das oitavas de final — enfrenta o São Luiz na quarta-feira, 13, na Arena das Dunas, em Natal — e a disputa da Copa do Nordeste.

Mesmo em seis meses de administração, os resultados são satisfatórios. A SAF foi logo abraçada e o número de sócios saltou de 5.000 para 15.000. Além disso, o clube ultrapassou a marca de 100.000 torcedores em nove jogos em casa na Série C. Neste ano, foram 18.700 pagantes em casa no estadual, 11.000 a mais que o rival ABC.

Confira os principais trechos da entrevista com Weber:

Como a SAF foi recebida por antigos sócios e torcedores?
Essa mudança de cultura da gestão é um processo bem doloroso. Separaria a recepção em dois momentos: uma recepção em que se abraça bastante o projeto, hoje com 15.000 sócios, mesmo com o rebaixamento do ano passado, um pouquinho pré-SAF; do outro lado, a gente sofre bastante ainda com o conselho, com a associação. O controle pelos antigos donos era mais restrito ainda e a gente ainda sofre um pouquinho no dia a dia, mas conduz bem com o executivo. São cinco ou seis membros ali que são bem contrários, mas natural e é uma condição que todos os clubes vão passar.

Quais os planos para o América mesmo depois do rebaixamento?
O América é um clube que estava bem defasado na gestão de marketing, na parte comercial, na gestão de fan base e isso leva um tempo para maturar. Já temos uma proposta de aportes até conseguir consolidar. Os próximos três, quatro anos, serão ainda de capital de giro, de investimento, de aporte, para compensar o que a gente entende ser o protagonista na Série D e Série C. Já estamos pensando em tornar o América um clube sustentável e não depender mais de aporte.

Os resultados em campo precisam acontecer para que o investimento continue?
Nós temos um orçamento definido do que vai gastar. Estamos estimulando um prejuízo operacional. Se formos avançando na Copa do Brasil, por exemplo, vamos diminuindo a necessidade de aportar mais dinheiro. Mas a gente pode avaliar a necessidade de investir mais. É aquele negócio, também não adianta sair torrando dinheiro se já temos um investimento ali e não vamos alterar tanto.

Primeira SAF do Rio Grande do Norte, o América já provoca a concorrência?
Vemos, sim [essa concorrência]. Não só o ABC-RN, mas outros grandes do Nordeste. Tem um movimento grande do Botafogo-PB, estudos do CSA e do CRB [ambos de Alagoas]… O que vejo é que o quantos antes, quem sair na frente, vai colher esses frutos. Já estamos nos preparando para essa nova concorrência que está vindo. É um movimento que vai acontecer, não só do Nordeste como do Brasil todo e cada vez vai ser mais difícil do investidor entrar.

View this post on Instagram

A post shared by América Futebol Clube (@americafcnatal)

A modernização da Arena influencia no acolhimento do torcedor?
Usamos muito a Arena das Dunas, que é um dos melhores equipamentos que temos no Brasil em termos de custo-benefício. São 32 mil lugares, no centro da cidade, bem gerido e com uma operação barata. Dificilmente, vamos conseguir fazer muito jogo lá, que é dentro do CT, a 20 minutos do centro de Natal. É importante ter a nossa casa, em um estádio pequeno, mais aconchegante, com condições de receber jogos menores e a condição de ter a Arena das Dunas para 10 mil torcedores em diante. Estamos estruturando bem a Arena América, com os refletores, academia, fisioterapia, salas administrativas, capacidade para 5 mil torcedores etc. A gente enxerga que a torcida via que estava muito abandonado e agora há uma modernização.

Há então uma surpresa positiva para quem chega?
Com certeza. O mercado é pequeno e os jogadores se falam. Além de ter as obrigações em dia, a estrutura em dia, a cidade, são ótimas. A gente brinca que, daqui a pouco, vamos ter outro problema: o de jogadores não quererem ir embora e se acomodarem em Natal.

View this post on Instagram

A post shared by América Futebol Clube (@americafcnatal)

Como se deu a opção pelo América?
Olhamos quase 15 clubes e o América foi o clube que o executivo queria, tinha interesse, com um endividamento baixo, bem gerido, que gastava o que tinha e a associação era bem organizada financeiramente. Foi um lugar em que vimos que poderíamos fazer aportes focados na reconstrução do clube, focado em futebol e não fazendo muito esforço para resolver dívida ou fazer recuperação judicial.

Como é a relação do potiguar com os América mineiro e carioca?
Vamos defender que o nosso é o maior América. Isso que a gente quer tentar posicionar. Mas, antes de posicionar para fora, a gente quer posicionar muito para dentro. Lá dentro isso já é claro e precisamos voltar a ser competitivo e engolir o América Mineiro. Só vamos conseguir fazer isso sendo competitivo no futebol. Os nordestinos ficaram muito atrás nesse sentido de crescimento estrutural, mas agora é visto que esses são os que mais vão crescer, repetindo outros modelos da região.

    Mais Recentes

      Comentários

      Clique aqui e deixe seu comentário!