Tamanho do texto

Meninas apostam que anfitriãs são as maiores adversárias no caminho das medalhas em Guadalajara

As brasileiras do nado sincronizado resolveram apostar numa arma a mais para enfrentar aquelas que consideram suas maiores adversárias no Pan-Americano de Guadalajara . Lara Teixeira e Nayara Figueira , que estréiam nesta terça-feira no torneio continental, fizeram uma preparação especial com a canadense Leslie Sproule.

Veja ainda: Brasil busca tetra pan-americano sem Marta e Cristiane

Com isso, esperam ter melhores chances contra as nadadoras mexicanas. As anfitriãs são tidas como as principais rivais do Brasil na disputa pelas medalhas no Pan . “Na rotina técnica, a Leslie incrementou a parte que não é dos elementos obrigatórios. Já na rotina livre, ela acelerou a coreografia”, resume Lara.

E é na evolução desses detalhes que o Brasil aposta não somente para tentar uma medalha no Pan, mas também para melhorar suficientemente e ter condições de ser mais competitivo no cenário mundial .

Veja ainda: Atletas convivem com falta de água nas torneiras da Vila do Pan

No mundial da China, realizado em julho, Lara e Nayara ficaram na 12ª colocação tanto no dueto técnico quanto no livre. Na ocasião, o Brasil terminou ainda em 14º no solo livre, 15º no solo técnico e 12º na equipe técnica e na equipe livre.

“Estamos mais preparadas do que já estávamos para o Mundial de Xangai. Não vimos os treinos das mexicanas, mas estamos bem confiantes na conquista de medalhas. Estou ansiosa para cair na piscina para a disputa”, diz Lara.

Veja também: Casa do futebol brasileiro é preterida pelo Pan e pelos turistas

O trabalho com Sproule surtiu efeito. A técnica Andrea Curi garante que a evolução já é visível, ao contrário do que ela analisa em relação às mexicanas. “Do Mundial de Xangai para cá, demos um grande salto. Nosso dueto está mais frenético. E de uma maneira geral, melhoramos a construção da coreografia e ganhamos mais velocidade. Pelo que vimos do treino do México, não há muita diferença do que apresentaram no Mundial”, avalia Andrea.

Em Xangai, a dupla mexicana terminou na 20ª colocação no dueto técnico e em 21º lugar no dueto livre.

Veja ainda: Remo brasileiro avança para seis finais. Beltrame também vence

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.