Tamanho do texto

Matheus Dellagnello, ouro neste sábado na classe sunfish, teve festa surpresa e recebeu camisa de Emanuel

Marcel Rizzo/ iG
Dellagnello recebeu presente de Emanuel, ouro no vôlei de praia
Um presente que acabou sendo de um medalhista de ouro para outro medalhista de ouro nestes Jogos Pan-Americanos de Guadalajara . O velejador Matheus Dellagnello garantiu o título com duas regatas de antecipação neste sábado, na classe Sunfish, seis dias depois de completar 23 anos e de receber um presente de Emanuel, medalhista olímpico que neste sábado, com o parceiro Allison, também levou ouro no Pan.

Leia mais: Dellagnello e Patrícia Freitas faturam dois ouros na vela

“Foi uma camiseta, já fiquei feliz por ter sido um presente de um cara que ganhou medalha em Olimpíada. E agora fico sabendo que ele ganhou o ouro também, parabéns para ele. Festa do Brasil hoje por aqui, estávamos meio longe de todo o agito do Pan, mas valeu”, disse Dellagnello, que deixou para trás o peruano Alexander Zimmermann.

Veja também: Brasileira medalhista na vela nasceu nos EUA e é mascote do time

A sede da vela, do vôlei de praia, da maratona aquática e do triatlo é em Puerto Vallarta, cidade litorânea do estado de Jalisco, o mesmo de Guadalajara , que fica a 350 km da sede principal. Até Allison brincou neste sábado que não havia muito o que fazer, por isso no domingo foi feita uma festa surpresa para o velejador aniversariante, com a presença também de praticantes de outros esportes.

“Foi ali depois do bate papo diário que tínhamos, não imaginava mesmo. Foi legal ter vencido essa competição bem na semana do meu aniversário. O norte-americano (Paul Foerster) é bem forte, sabe velejar com ventos mais fracos também, mas consegui me adaptar ao local”.

Projeto

Nascido em Florianópolis, onde aprendeu a velejar com o pai, Matheus deve retornar a uma classe que começou, a laser, para poder realizar um sonho: disputar as Olimpíadas de 2016. A classe Sunfish, que deu o ouro a ele neste sábado, não faz parte da grade olímpica.

“Vou voltar a treinar de laser, esse é o objetivo. São alguns anos para conseguir uma boa adaptação”, disse.

A decisão de quais classes participam de determinadas competições é feita com base em especificidades técnicas, o que acrescenta algumas e elimina outras. Em Pans não há, por exemplo, as classes olímpicas Finn e Star, esta última a que compete o astro da vela brasileira, Robert Scheidt, que tem duas medalhas de ouros em Olimpíadas na Laser (Atlanta-96 e Atenas-2004).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.