Tamanho do texto

Atletas como Gustavo Borges, Robert Scheidt e Maurren Maggi apareceram no Pan e fizeram sucesso no cenário mundial

Getty Images
Maurren Maggi foi ouro no salto em distância nas Olimpíadas de Pequim-08
Os Jogos Pan-Americanos estão longe de ser uma competição do nível das Olimpíadas , pelo fato de possuir apenas países do continente americano e não contar com as equipes titulares de potências do esporte, como EUA e Canadá. No entanto, o Pan tem a tradição de revelar ao público brasileiro atletas que depois fazem sucesso num patamar mais elevado.

Veja como ficou o quadro de medalhas

Velha geração que apareceu em Pans
Vários atletas que conseguiram grandes façanhas na história do esporte brasileiro surgiram em Pan-Americanos . O judoca Aurélio Miguel apareceu para o país com a medalha dourada no Pan de Indianápolis-87. Um ano depois conquistou o ouro nas Olimpíadas de Seul-88. O nadador Gustavo Borges ganhou seus dois primeiros ouros em Pans em Havana-91. Nas Olimpíadas de Barcelona-92, ficou com a prata, sendo que subiria ainda mais três vezes ao pódio em edições futuras.

Entre os atletas ainda em atividade, vale destacar o bicampeão olímpico Robert Scheidt: o velejador surgiu para o Brasil no Pan de Mar del Plata-95 e no ano seguinte ganhou sua primeira medalha de ouro em Jogos Olímpicos, em Atlanta-96, pela classe Laser. Maurren Maggi , atual tricampeã do Pan e blogueira do iG , ganhou seu primeiro ouro em Winnipeg-99 e, nove anos depois, iria se tornar campeã olímpica em Pequim-08. Naquele mesmo Pan canadense, a ginasta Daiane dos Santos apareceu pela primeira vez para o grande público do país: quatro anos depois se tornou campeã mundial do solo, em Anaheim, nos EUA.

Leia mais: Solonei Rocha fatura o último ouro do Brasil em Guadalajara

Com o término do Pan de Guadalajara , o iG revisa as belas campanhas de revelações brasileiras na competição e destaca aqueles que podem conseguir grandes feitos nso próximos campeonatos mundiais e Olimpíadas.

Natação e atletismo seguem revelando campeões
Os nadadores e competidores do atletismo continuam trazendo uma penca de medalhas para o país na competição. Além disso, esses esportes revelam grandes valores em Pans . Foi o caso do nadador Leonardo de Deus , ouro nos 200 m borboleta, e Gracielle Hermann , de apenas 19 anos, prata nos 50 m livre. Já no atletismo, Rosângela Santos , ouro nos 100 m rasos e revezamento 4x100 surge como a grande velocista do país na atualidade. Já Ana Cláudia Lemos - uma das musas do Brasil no Pan – foi campeã dos 200 m rasos e também quer seu espaço no atletismo. As duas têm forte concorrência pela frente, no entanto.

Judocas e velejadores confirmam tradição
O judô conseguiu um retrospecto inédito em Guadalajara , contabilizando seis ouros. Felipe Kitadai , vencedor da Copa do Mundo de Roma em 2011, e Bruno Mendonça , foram medalhistas de ouro em Guadalajara e ganharam destaque na modalidade. Tradicional em Pans e Olimpíadas, a vela trouxe mais cinco ouros para o Brasil. A dupla da Snipe, Alexandre Tinoco e Gabriel Borges e o companheiro de seleção Matheus Dellagnello , da classe Sunfish, já são os atuais campeões mundiais de 2011 em suas respectivas categorias e agora foram apresentados ao grande público. Eles s velejadores estrearam com a medalha de ouro no Pan e surgem como possíveis sucessores de experientes marujos como Robert Scheidt e Torben Grael.

Brasileiro Arthur Zanetti foi prata nas argolas no Pan de Guadalajara
Getty Images
Brasileiro Arthur Zanetti foi prata nas argolas no Pan de Guadalajara

Destaques individuais no vôlei, ginástica e levantamento de peso
Mesmo com uma equipe B e sem o técnico Bernardinho à beira da quadra, a seleção masculina de vôlei fez bonito no Pan e ficou com o ouro. O oposto Wallace de Souza , maior pontuador da grande final contra Cuba, aparece como aposta da equipe e candidato ao time principal. Na equipe feminina, que foi ao México com força máxima, a oposta Tandara entrava no fim dos sets na chamada inversão do 5-1 e dava conta do recado. A atleta mostrou personalidade a marcar o ponto do título pan-americano contra as cubanas.

Entre os ginastas, vale destacar Arthur Zanetti , segundo colocado nas argolas no Mundial de 2011: ele foi ouro por equipes e prata nas argolas em Guadalajara e é esperança de pódio nas Olimpíadas de Londres. Já o halterofilista Fernando Reis , campeão mundial juvenil, conseguiu a primeira medalha de ouro da história do levantamento de peso brasileiro em Pans , na categoria acima de 105 kg. Reis foi uma das gratas surpresas do Brasil no México.

Estamos de olho
Basta agora ficar atento nas próximas competições que esses atletas disputarão, principalmente as Olimpíadas de 2012 , em Londres e os campeonatos mundiais de suas respectivas modalidades. Assim, o público brasileiro poderá saber realmente se surgirão atletas do nível de Gustavo Borges, Robert Scheidt, Maurren Maggi , entre outros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.