Tamanho do texto

Jerusa Geber foi cortada do quarteto que foi à pista e conseguiu a primeira medalha por equipes do time feminino na história dos Jogos Paralímpicos

Alice Correa, Lorena Spoladore, Talita Simplicio e Terezinha Guilhermina formaram a equipe do Brasil que levou a prata no revezamento 4x100m categoria T11
Daniel Zappe/MPIX/CPB
Alice Correa, Lorena Spoladore, Talita Simplicio e Terezinha Guilhermina formaram a equipe do Brasil que levou a prata no revezamento 4x100m categoria T11

A prata das brasileiras no revezamento 4x100 feminino com deficiência visual (categorias T11 a T13) ficou em segundo plano na noite desta terça-feira. Nem o fato de ser a primeira medalha da equipe feminina na história, em sua primeira participação na prova, foi suficiente para diminuir a polêmica em torno da ausência de Jerusa Geber dos Santos na formação, que teve Thalita Simplício, Alice Correa, Lorena Spoladore e Terezinha Guilhermina.

LEIA MAIS:  Rugby brasileiro estreia com derrota, mas leva torcida à loucura

Cortada da equipe de revezamento que foi à pista, Jerusa questionou a decisão da comissão técnica na Justiça. O argumento na ação é que o critério técnico de incluir as atletas com os melhores tempos na temporada não foi seguido por retaliação. Uma das principais velocistas com deficiência visual do país, Jerusa detém grandes marcas na temporada nos 100m e diz que não pôde participar de todos os treinos por sentir dores, com consentimento da comissão técnica. A informação foi divulgada pelo blog da jornalista Gabriela Moreira, da "ESPN Brasil".

Jerusa é dona de três medalhas paralímpicas (prata nos 100m e nos 200m em Londres 2012 e bronze nos 200m em Pequim 2008), cinco pódios em Mundiais (prata nos 100m em Doha 2015, prata nos 100m e nos 200m em Lyon 2013 e prata nos 100m e nos 200m em Christchurch 2011) e quatro conquistas em Parapan-Americanos (bronze nos 100m e nos 400m em Toronto e prata nos 100m e nos 200m em Guadalajara). Thalita Simplício, que ocupou sua vaga, compete nos 400m e seu melhor resultado é o bronze nesta prova no Mundial de Doha.

LEIA MAIS:  Cinco motivos que explicam sucesso do Brasil no esporte paralímpico

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) explicou, em nota, que a decisão sobre a formação das equipes não consiste apenas nos tempos individuais: “A decisão (...) é meramente técnica, tomada pelos treinadores e baseada no rendimento dos atletas nos treinos das equipes. A prova de revezamento envolve mais fatores do que apenas contar com os atletas de melhores tempos”. Nesta noite, a Justiça do Rio de Janeiro negou o deferimento da liminar.

Em conversa com os jornalistas, as integrantes do revezamento corroboraram a tese da entidade máxima do desporto paralímpico brasileiro. “A Jerusa estava cotada para o revezamento. Nós seis [as quatro medalhistas, Jerusa e Silvânia Costa, que ficou como reserva] começamos a treinar no final de agosto, na aclimatação. Não é só velocidade. A equipe foi fechada na semana anterior ao embarque para o Rio de Janeiro, com base nos testes que fizemos em treinamentos, como o de passagem de bastão”, disse Lorena Spoladore.

Mais experiente da equipe, Terezinha Guilhermina disse que resultado pessoal não é suficiente para embasar a escolha das atletas: “O Fábio (Dias), que estava treinando o grupo, deixou claro desde o primeiro momento que o critério era treinamento. Chegar na reta final, quase na hora da prova, e colocar uma pessoa que não tinha treinado com a gente para fazer as passagens era um pouco complicado. Eu apoiei e falei para as meninas que a gente estava com o melhor time, as melhores atletas que treinaram”, defendeu Terezinha Guilhermina.

“Ela só treinou o revezamento com a gente uma vez. E a gente fez duas semanas de treino, sempre em dois períodos. Nosso treinador falou que a gente só mudaria em caso de lesão. Como ninguém se lesionou, nada mudou. A gente já saiu de São Paulo [onde a aclimatação foi feita] com tudo definido”, diz Alice Correa. A versão de Jerusa é que ela só foi informada do corte dois dias antes da prova. “O mais importante era manter o nosso foco. A equipe estava fechada e estávamos tranquilas”, minimiza Lorena.

No quintal de casa

Se não fosse a demora na segunda passagem de bastão, o Brasil poderia ter baixado o recorde mundial e ficado com a medalha de ouro. Com a falha na transição, a equipe perdeu a dianteira e nem mesmo o esforço de Terezinha Guilhermina na reta final foi suficiente para ultrapassar as favoritas chinesas, que venceram com o tempo de 47s18, a melhor marca do mundo. As brasileiras terminaram a prova em 47s57 e as colombianas, que foram bronze, 51s93.

“A gente sai com um sentimento de vitória. Infelizmente, sempre tivemos uns problemas técnicos em nossos revezamentos, mas dessa vez a gente conseguiu fechar, sem ter queima e ainda com a prata. É um passo de cada vez. Hoje a gente está com a prata e, amanhã, com muito treinamento, vamos chegar ao ouro”, apontou Lorena.

LEIA MAIS:  Brasil tem melhor campanha de sua história na Paralimpíada do Rio 2016

“Eu falava com as meninas que a gente ia brincar no quintal da nossa casa. Se o bastão chegasse até mim, eu com certeza ia fazer o meu melhor. Eu só pedi para que eles fizessem o bastão chegar até mim. É uma medalha conquistada com oito mãos e dezesseis pernas”, lembrou Terezinha, salientando a importância dos guias Felipe Veloso, Diogo Cardoso da Silva, Renato Ben Hur Oliveira e Rafael Lazarini.

Depois de duas frustrações em provas individuais, com desclassificação nos 100m e queima de largada nos 200m, Terezinha Guilhermina finalmente subiu ao pódio no Rio de Janeiro. Esta foi a sétima medalha de sua carreira em Jogos Paralímpicos, mas com um sabor especial: “As meninas são muito novas e ainda não tinham ganhado medalha em Paralimpíada, além dessa ser a minha primeira medalha de revezamento. É a primeira vez de todas. Se elas correram por mim, eu também fiz isso por elas”.

*Com Agência Brasil