Tamanho do texto

"Ela realmente é a melhor do mundo. Quase bateu o recorde mundial de novo. Mas amanhã ela vai ter que correr muito", disse a brasileira

Verônica Hipólito fez a melhor marca de sua vida no atletismo do Rio 2016
André Motta/Brasil2016.gov.br
Verônica Hipólito fez a melhor marca de sua vida no atletismo do Rio 2016

Verônica Hipólito, representante brasileira no atletismo, fez um excelente tempo nos 100m da classe T38: 12s84. A marca foi a melhor de sua carreira e o novo recorde paralímpico.o melhor tempo de sua carreira e o novo recorde paralímpico, ao menos por alguns minutos. Ao final da prova, Hipólito esperou entre o túnel de saída da pista e a zona mista para ficar de olho na bateria seguinte, que definiria as outras finalistas. O principal alvo de observação da velocista brasileira atende pelo nome de Sophie Hahn. A britânica atual campeã e recordista mundial seria a próxima a correr e a brasileira sabia que sua marca recém-conquistada estava ameaçada. Não deu outra. Hahn completou os 100m em 12s62, novo recorde paralímpico, muito perto da própria marca de 12s60, a melhor do mundo.

FIQUE LIGADO: Tempo real, medalhas, notícias... Tudo sobre os Jogos Paralímpicos 2016

Nada que tenha surpreendido a brasileira. Verônica revelou uma conversa com a rival antes da prova e reconheceu a superioridade da adversária. No entanto, segundo a brasileira, o título de Hahn está em risco e mandou um recado a adversária no atletismo . Ela realmente é a melhor do mundo. Quase bateu o recorde mundial de novo. Mas amanhã ela vai ter que correr muito, porque vou correr muito”, disse Verônica.

LEIA TAMBÉM: No judô, Tenório vai em busca de sexta medalha em seis edições das Paralimpíadas

“Eu queria ver a corrida dela. Os 100m não são uma prova que dá para pensar, mas dá para ver qual é a parte mais forte das adversárias. Vi que o meio e o final dela são incríveis. A tática é começar bem, fazer o meio bem, fazer o final bem e dar uma volta no estádio muito bem também”, explicou aos risos a brasileira.

E MAIS: Do pessimismo ao orgulho, Jogos Olímpicos mudam a opinião do brasileiro

Melhor marca e alívio

Classificada para a final com o melhor tempo de sua vida no atletismo, a brasileira tirou um peso das costas. “Depois de hoje fiquei orgulhosa de mim. Muita gente falou que eu nem chegaria nos 12s93. Fiz 12s84 tirando o pé. Fiquei feliz com o resultado. Amanhã (dia da final) sei que vai ser difícil, mas por isso vai ser divertido”.