Tamanho do texto

"Me dediquei bastante para tentar fazer história e conseguimos", disse o baiano, que conquistou três medalhas no Rio 2016

Isaquias Queiroz e Erlon de Souza conquistam medalha de prata para o Brasil
Divulgação/Rio 2016
Isaquias Queiroz e Erlon de Souza conquistam medalha de prata para o Brasil


Isaquias Queiroz fez história na canoagem e se tornou o primeiro brasileiro da história a conquistar três medalhas na mesma edição dos Jogos Olímpicos. O terceiro e último pódio no Rio aconteceu na manhã deste sábado, com a prata no C2 1000m, ao lado de Erlon de Souza.

Rio 2016: Acompanhe os Jogos Olímpicos em tempo real 

"Esse era meu objetivo. Me dediquei bastante para tentar fazer história e conseguimos. Ganhei a primeira medalha e queria mais. Não é ganância. Foram seis dias pesados de competição, mas não senti cansaço no C2, pois o cronograma das provas ajudava a competir. As três medalhas não são só minhas, são do Brasil, da canoa, da canoagem e da Bahia", disse.

Isaquias e Erlon remam para conquistar a prata. Mais um feito histórico para a canoagem do Brasil
Reprodução/Rio2016
Isaquias e Erlon remam para conquistar a prata. Mais um feito histórico para a canoagem do Brasil

Leia mais:  Com Erlon, Isaquias leva prata e se torna o maior brasileiro em uma Olimpíada

Isaquias não escondeu a felicidade por ter conquistado uma medalha ao lado do amigo Erlon. Antes, havia obtido a prata no C1 1000m e o bronze no C1 200m. "Hoje ganhei a prata e estou muito feliz por ter ajudado o Erlon, pois ele me ajudou muito nos últimos anos e merecia sair daqui também com uma medalha. Sensação é de trabalho realizado", continuou.

Fique por dentro: Quadro de medalhas do Rio 2016

Erlon, por sua vez, estava radiante. Mesmo não conseguindo o ouro nos últimos metros, quando a dupla foi ultrapassada pelos alemães Sebastian Brendel e Jan Vandrey, ele festejou. "É uma medalha que vale ouro. Essa daqui é uma semana sem dormir, só olhando. Vai ser meu travesseiro na verdade. Não dá pra cair a ficha assim", explicou.

Ele contou que evitou tocar nas medalhas do amigo Isaquias, que já tinha conquistado uma prata e um bronze no Rio, porque queria ter um pódio na sua prova. "Nem peguei nas medalhas dele. Estava na minha mente: eu quero ver a minha. Agora vejo que ela é bonita como eu imaginava. É linda, principalmente no meu pescoço", comemorou.