Tamanho do texto

"Infelizmente a hérnia tirou a força do meu braço esquerdo e isso fez com que eu falhasse, não consegui saltar"

Assim como em 2008 e 2012, Fabiana Murer voltou a ter problemas em Olimpíadas e se despediu do evento de 2016 de forma precoce , ainda na fase qualificatória. Em Pequim, a vara da saltadora sumiu; em Londres, os ventos atrapalharam sua performance; e agora no Rio de Janeiro, uma hérnia de disco foi a responsável pela decepção da saltadora de 35 anos de idade.

Confira:  Fabiana Murer não salta 4,55m e está fora do Rio 2016

"Estou muito chateada, não consegui saltar, tive uma hérnia que me prejudicou bastante. Foi dificil passar por isso, foi um mês de trabalho, dedicação, tive uma equipe médica me tratando. Eu achava que poderia saltar e ir para a final, mas infelizmente a hérnia tirou a força do meu braçoo esquerdo e isso fez com que eu falhasse, não consegui saltar", disse em entrevista ao Sportv, chorando bastante.

Fabiana Murer está fora do Rio 2016
Twitter/Reprodução
Fabiana Murer está fora do Rio 2016

"Estou chateada, mas fiz o máximo que eu pude. Em toda minha carriera batalhei, consegui varias medalhas e títulos mundiais. Uma lesão tira a condição do atleta de estar 100% em uma prova. Quem me acompanha, vê meus resultados, queria agradecer a essas pessoas. Termino minha carreira com a melhor marca da minha vida neste ano (4,87m) e muito contente", finalizou Fabiana Murer, dando a entender de que não competirá mais no salto com vara.

Fabiana Murer, uma das grandes esperanças de medalha para o atletismo brasileiro, está fora dos Jogos do Rio de Janeiro. Na manhã desta terça-feira, no Engenhão, ela falhou nas três tentativas para superar os 4,55m no salto com vara e não conseguiu avançar sequer na primeira fase classificatória.

"Fiz o salto com vara aparecer"

Após a eliminação precoce na fase classificatória do salto com vara, Fabiana Murer fez um balanço positivo da carreira e confirmou que os Jogos do Rio foram sua última Olimpíada. Na manhã desta terça-feira, no Engenhão, ela falhou nas três tentativas para superar os 4,55 metros no salto com vara e não conseguiu avançar à final.

"Sim, é minha última Olimpíada, meu último ano mesmo. Fico contente (pela carreira), fiz o salto com vara aparecer", disse a atleta na manhã desta terça-feira no Engenhão. "Vim e tentei fazer o meu máximo. Bati meu recorde sul-americano neste ano. Sei que fiz uma carreira muito boa", afirmou.

Fabiana optou por saltar apenas nos 4,55m enquanto as demais competidoras iniciaram nos 4,15m. No final da manhã, ela fracassou no primeiro salto. No segundo, ela parecia mais concentrada. Com as mãos, fez o desenho de sua trajetória pelo alto. Não funcionou. Na terceira tentativa, novo erro. Na queda, estendeu os braços para o público e agradeceu o carinho e o apoio.

Fabiana era uma das grandes esperanças de medalha do atletismo. Ele vinha entusiasmada com a obtenção da melhor marca da carreira (4,87m) no Troféu Brasil no mês de julho e que a colocou na vice-liderança do ranking mundial.

Uma lesão recente, no entanto, era motivo de preocupação. Há um mês, a saltadora descobriu uma hérnia cervical. Por isso, ela preferiu não competir na etapa de Londres da Diamond League. Voltou ao Brasil, cumpriu toda a programação de treinos e fez sessões de fisioterapia. "Queria agradecer a todos. Muitos me deram força quando souberam da minha hérnia", afirmou a atleta de 35 anos.

Quem também parou nas eliminatórias do salto com vara nesta terça-feira no Engenhão foi a brasileira Joana Costa, que superou o sarrafo na marca de 4,15m, mas falhou nas tentativas de avançar nos 4,30m. Quem liderou a disputa foi a grega Ekaterini Stefanidi, que superou os 4,60m logo na primeira tentativa. A final está marcada para a próxima sexta-feira.