Tamanho do texto

Em pouco mais de uma hora, atletas correram as semifinais e a final da prova, que consagrou o jamaicano medalha de ouro

Estadão Conteúdo

Bolt faz o tradicional raio para comemorar o ouro nos 100m rasos
Reprodução/Twitter
Bolt faz o tradicional raio para comemorar o ouro nos 100m rasos

A conquista do tricampeonato olímpico não impediu o jamaicano Usain Bolt de criticar a realização de duas provas dos 100 metros praticamente na sequência, na noite deste domingo, nos Jogos do Rio de Janeiro. Embora esteja em boa forma, o jamaicano criticou a realização da semifinal e da final, em sequência. Ele disputou a primeira às 21h07 e a final, às 22h25.

"Eu realmente esperava correr mais rápido na final. É muito ruim para qualquer atleta. Eu estava cansado após os 100m e nunca fico cansado porque a gente não teve tempo suficiente para descansar. É ridículo", afirmou o tricampeão olímpico. "O intervalo foi muito pequeno. Eu me senti tão bem na semifinal que poderia ter corrido um tempo melhor. Foi muito estúpido. Não sei quem decidiu isso. Por isso, a corrida foi lenta."

Tempo real:  Siga o melhor dos Jogos Olímpicos nesta segunda

Apesar das críticas, Bolt já definiu uma nova meta para a sequência dos Jogos e mandou um recado especial para a torcida brasileira. "Toda vez que apareci aqui, eles me deram arrepio. Foi demais. Estava me sentindo em estádio de futebol. A energia é incrível. Continuem me apoiando. Faltam duas provas", disse.

Confira agenda do Brasil nesta segunda-feira de Olimpíadas

Novamente se referindo às próximas provas - na terça-feira, ele disputa as eliminatórias dos 200 metros, competição que é sua especialidade - o jamaicano afirma ter superado os problemas de lesão. "Foi um bom começo. Sempre existe alguém que duvida, mas estou em melhor forma do que na última temporada", afirmou.

Veja também:  Déjà vu: trigêmeas da Estônia confundem público na maratona do Rio 2016

Bolt confessa que ficou nervoso antes da prova que o transformou no primeiro tricampeão olímpico dos 100 metros da história. Antes da largada, no entanto, ele chegou a agitar os braços levantando o público com aparente tranquilidade. "Eu não sabia como eu estava nervoso até começar a competir. Fazer isso três vezes é um grande feito. Nunca ninguém tinha conseguido isso."

O atleta confessa que buscava se diferenciar dos demais campeões. "Eu queria ser diferenciado. Vim focado no que deveria fazer e foi brilhante."

Gatlin minimiza vaias e valoriza medalha de prata nos 100m

Sem sucesso na busca pelo título olímpico, Gatlin disse que a prata tem sabor de superação. Ele foi suspenso por quatro anos por doping. A primeira punição ocorreu em 2001. O episódio ficou no passado quando Gatlin conquistou o ouro nos 100m em Atenas-2004. Dois anos mais tarde, contudo, foi flagrado de novo e encarou quatro anos de suspensão. Quando voltou, encontrou um cenário já dominado por Bolt.

"Nós trabalhamos 365 dias por ano para estar aqui por nove segundos. Aos 34 anos, correr ao lado desses meninos e ainda conseguir chegar ao pódio traz uma sensação muito boa", disse o norte-americano, que registrou 9s89, atrás de Bolt, que anotou 9s81.

O norte-americano não se sentiu incomodado com as vaias dos brasileiros. "Existem muitos fãs (de Bolt) no Brasil e muitos fãs da Jamaica. Eles não me conhecem, mas eu trabalhei muito para chegar até aqui", minimizou Gatlin.