Tamanho do texto

Equipe voltará a jogar no próximo domingo, no seu último compromisso pela primeira fase, diante de Montenegro, às 9h30

Estadão Conteúdo

Brasil venceu Angola no handebol feminino
Time Brasil / Divulgação
Brasil venceu Angola no handebol feminino

A seleção brasileira feminina de handebol está classificada às quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio. Nesta sexta-feira, a equipe assegurou o seu terceiro triunfo ao superar a Angola por 28 a 24, na Arena do Futuro, em duelo válido pela quarta rodada do Grupo A.

Com esse resultado, a equipe chegou aos seis pontos, contra os quatro de Noruega e Espanha, que ainda vão entrar em quadra nesta sexta, e também da seleção de Angola. A equipe voltará a jogar no próximo domingo, no seu último compromisso pela primeira fase, diante de Montenegro, às 9h30.

Lance de Brasil x Angola no handebol feminino
Twitter/Reprodução
Lance de Brasil x Angola no handebol feminino

Contra um adversário que vem surpreendendo na Olimpíada, com duas vitórias, o Brasil enfrentou dificuldades para superar a goleira Teresa Almeida, especialmente no primeiro tempo, que terminou empatado em 13 a 13.

A seleção de Angola, inclusive, chegou a abrir uma vantagem de três gols durante o primeiro tempo, também porque o Brasil apresentou problemas no sistema defensivo. Isso levou até ao técnico Morten Soubak a trocar a goleira, substituindo Mayssa por Babi.

No segundo tempo, o Brasil impôs a sua superioridade e rapidamente abriu uma vantagem confortável, de 21 a 17, não tendo mais a sua vitória ameaçada pela seleção de Angola, que, em situação desconfortável, começou a errar mais. Assim, a seleção fechou o jogo vencendo por 28 a 24.

Ana Paula foi o principal destaque do Brasil ao marcar sete gols, enquanto Samira Rocha fez quatro, assim como Jéssica Quintino. Mas a artilheira do duelo foi a angolana Natália Bernardo, com oito gols.

Adversária indefinida

A seleção brasileira feminina de handebol venceu Angola por 28 a 24, na manhã desta sexta, na Arena do Futuro, e se classificou para as quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio. O Brasil lidera provisoriamente o Grupo A (há ainda dois jogos da chave nesta sexta), com 6 pontos. A equipe encerra sua participação na primeira fase enfrentando Montenegro, no domingo.

Foram dois tempos muito distintos. "Quando terminamos empatados por 13 a 13, percebi que equipe estava presa ao sistema de marcação angolana", disse o técnico brasileiro, o dinamarquês Morten Soubak. "Angola estava melhor no contra-ataque e se fechou bem na defesa. Só quando passamos a usar mais as pontas, no segundo tempo, é que nosso jogou passou a fluir."

A observação foi a mesma do técnico angolano, Filipe de Carvalho Cruz. "Foram dois tempos distintos", disse. "No primeiro, tivemos força e nível de concentração suficientes para jogar melhor. Mas no segundo, a equipe foi desastrosa, desconcentrada. Agora, temos de usar esses erros para trabalhar para o próximo jogo (contra a Espanha) e conseguir o feito inédito: classificar para a próxima fase."

Se contou com o apoio maciço da torcida brasileira nas outras partidas, Angola, dessa vez, conheceu a força da vaia. "Sabíamos que isso ia acontecer, mas, confesso que aquele carinho fez falta", comentou a armadora Natália.

Perguntado sobre se preferia escolher adversário para as quartas - o que implicaria em ter um determinado resultado contra Montenegro -, o técnico do Brasil foi taxativo. "Engraçado como se fala disso aqui no Brasil", comentou. "Falaram que eu quis ficar em um grupo mais forte na primeira fase, o que não é verdade, pois não escolho em qual grupo ficar. O mesmo vale para a próxima fase. Se quiser ganhar a medalha de ouro, o Brasil não pode escolher adversários."

O pensamento é o mesmo da equipe. "Nem sei como está a pontuação no grupo B", confessou a ponta Eduarda. "Já fizemos isso uma vez (escolher adversário), no Mundial, e nos demos mal. Agora, o importante é só pensar em somar pontos."