Tamanho do texto

Monatado por Martin Boyd, Blackfoot Mystery tem história pouco comum em relação aos demais cavalos olímpicos

Martin Boyd e o cavalo Blackfoot Mystery
Reprodução Boyd&SilvaMartin
Martin Boyd e o cavalo Blackfoot Mystery

Acupuntura, massagem, fisioterapia, descanso, comida da melhor qualidade. Mas Blackfoot Mystery precisou cavalgar muito até ganhar status e passar a receber o tratamento vip destinado aos cavalos que chegaram ao Rio de Janeiro para competir nas disciplinas de hipismo.

Rio 2016: Acompanhe os Jogos Olímpicos em tempo real

Puro-sangue inglês de 12 anos de idade, o animal é a montaria de Boyd Martin, membro da equipe americana do CCE (Concurso Completo de Equitação) do hipismo dos Jogos de 2016, que envolve provas de adestramento, cross country e saltos. Ao fim das competições da disciplina, na tarde desta terça-feira, a dupla ficou em 16º lugar no individual e em 12º com a seleção dos Estados Unidos.

Fique por dentro:  Quadro de medalhas do Rio 2016

Mesmo que não tenha conseguido medalha, Blackfoot pode comemorar.

VOLTA POR CIMA

Após um início de carreira pouco promissor nas pistas de corrida do Kentucky (EUA), sua terra natal, o cavalo foi doado a um abrigo de animais na Califórnia.Na sequência, foi vendido a preço de banana para o cavaleiro Kelly Prather, o responsável por descobrir seu verdadeiro talento e o levar às competições de nível três estrelas do CCE.

Em uma dessas competições, Martin Boyd se deparou com Blackfoot Mistery e ficou impressionado diante das qualidades do animal. "Em relação ao salto e ao adestramento, há uma questão de talento natural. Você só consegue ensinar o cavalo até certo ponto", explicou Boyd, em entrevista à revista Los Angeles Times, no fim de julho.

Leia também: Equipe brasileira fica em 7º lugar no hipismo CCE e entra para o grupo de elite 

Mas, a essa altura do campeonato, Blackfoot já havia mostrado seu potencial e valia muito dinheiro. Boyd, então, convenceu um consórcio de investidores a comprar o animal."Eu o observei como um falcão durante um ano. Tive muita sorte", acrescentou.

Cavalo e cavaleiro treinaram juntos durante apenas 12 meses antes de disputarem a Olimpíada. Entretanto, já construíram uma relação bastante promissora.

E mais: Notícias de hipismo nos Jogos Olímpicos Rio 2016

"Ele não é o mais rápido devido à maneira como foi construído.  Mas é um lindo cavalo", elogiou Martin Boyd. O hipismo na Olimpíada vai até o dia 19 de agosto, com as provas de adestramento e saltos.