Tamanho do texto

Nacif Elias teve reação temperamental ao ser eliminado devido a golpe ilegal; depois, voltou ao tatame para pedir desculpas

Estadão Conteúdo

Nascido no Brasil mas naturalizado libanês para competir no judô pelo país asiático, Nacif Elias foi um dos protagonistas da manhã olímpica desta terça-feira na Arena Carioca 2. Nem tanto pelo seu combate com o argentino Emmanuel Lucenti, mas sim por sua reação temperamental ao ser eliminado pela arbitragem por um golpe ilegal.

O judoca brasileiro naturalizado libanês Elias Nacif
Reprodução Instagram
O judoca brasileiro naturalizado libanês Elias Nacif

Rio 2016: Acompanhe os Jogos Olímpicos em tempo real

Com uma punição para cada lado e o combate empatado, Nacif Elias, a pouco mais de um minuto e meio de combate, tentou aplicar um golpe no braço de Lucenti, que caiu acusando dores. A arbitragem entendeu que ação do libanês foi proposital para machucar o adversário e, por isso, o desclassificou.

Revoltado com a decisão dos juízes, Nacif simplesmente se recusou a deixar o tatame, esbravejando contra todos a seu redor e pedindo o apoio da torcida, que tomou as dores do brasileiro naturalizado. Somente quando um dirigente da Federação Internacional de Judô apareceu, ele tirou a faixa e, ainda bastante irritado, saiu de cena.

Fique por dentro:  Quadro de medalhas do Rio 2016

"Sou sempre prejudicado no circuito mundial por competir pelo Líbano", disparou em entrevista ao SporTV após a derrota. "Esperei muito. Mas a arbitragem internacional é uma vergonha, sempre me prejudica. Treinei muito para estar aqui, abdiquei da minha vida. Agora, ele (Lucenti) vem lutar na catimba... É por causa do Líbano. É uma vergonha. Talvez tome suspensão de dois anos por isso, mas agradeço o apoio de todo mundo. Agradeço ao brasileiro."

Ex-integrante da seleção brasileira de judô, Nacif Elias decidiu se naturalizar libanês em 2013 para ter a chance de disputar os Jogos do Rio depois de perder a vaga na equipe de seu País. Ele sonhava com medalha e foi porta-bandeira do Líbano na cerimônia de abertura.

Um tempo depois do episódio, já com a cabeça mais fria, o atleta retornou ao tatame, cumpriu o protocolo do judô e pediu desculpas pela sua atitude explosiva.