Tamanho do texto

Descontrole emocional deve tirar a faixa de capitão do camisa 10 na seleção principal após os Jogos do Rio 2016

Estadão Conteúdo

Neymar jogou mal contra o Iraque
Mowa Press
Neymar jogou mal contra o Iraque



A omissão de Neymar está agravando a crise na seleção brasileira olímpica. Capitão do time, o atacante simplesmente não tem tomado a iniciativa de liderar e defender os jogadores, e também a comissão técnica, diante do mau momento da equipe, que empatou as duas primeiras partidas do torneio masculino de futebol da Olimpíada. O jeito personalista do jogador do Barcelona começa a ser visto como um sinal de que só se preocupa com ele próprio.

Rio 2016:  Acompanhe os Jogos Olímpicos em tempo real

Nesta terça-feira, véspera do jogo decisivo contra a Dinamarca, será o meia Renato Augusto quem dará entrevista. Ou seja, quem falará pelo grupo. Ele é o mais experiente jogador do elenco e, apesar de ter sido bastante vaiado nas duas partidas realizadas até agora, não tem se omitido. Dá explicações, defende todos os jogadores - inclusive o próprio Neymar -, enfim, põe a cara para bater.

Já Neymar se omite. Depois do jogo com o Iraque, ele preferiu o silêncio e coube a jogadores bem menos experientes, além de Renato Augusto, dar explicações.

No grupo há quem entenda que quem deveria falar com os jornalistas nesta entrevista de véspera do jogo seria o capitão. Também o discurso adotado pelo jogador na única vez que atendeu a imprensa até agora - de que assumia a responsabilidade de liderar a seleção dentro e fora do campo e iria assumir toda a pressão para deixar os jovens companheiros à vontade - começa a ser interpretado como uma jogada de marketing, algo da boca pra fora.

Além disso, Neymar está mal física e tecnicamente e não tem feito dentro de campo a diferença que se esperava.

O jogador do Barcelona também começa a ser visto com desconfiança pela direção da CBF. Está praticamente decidido que ele perderá a braçadeira de capitão na seleção principal. O técnico Tite quer outro jogador na função e tem o aval dos superiores, entre eles o presidente Marco Polo Del Nero.

ADEUS À FAIXA DE CAPITÃO

O mau desempenho da seleção olímpica do Brasil vai ter reflexos na seleção principal. Uma das consequências é que Neymar não deverá ser mantido como capitão. O descontrole do atacante no jogo com o Iraque praticamente selou a perda da patente. O técnico Tite não o quer com a faixa e tem respaldo de dirigentes da CBF e do presidente Marco Polo Del Nero.

No último domingo, Neymar passou o jogo batendo boca com jogadores iraquianos, algumas vezes trocou empurrou e discutiu bastante com o juiz da partida. Além disso, em determinado momento chutou a bola para longe, de bico, irritado com o fato de o jogo ter sido parado para atendimento a um adversário após falta feita por Renato Augusto.

Naquela altura do jogo, os brasileiros estavam irritados tanto com a violência como com a "cera" da seleção do Iraque. No entendimento de dirigentes da CBF, caberia ao capitão tentar acalmá-los e não mostrar descontrole por meio de um gesto que trouxe ainda mais nervosismo.

"“Ele é fora de série, mas ainda não tem maturidade para ser capitão. Ainda não tem a experiência de um Cristiano Ronaldo, por exemplo", disse à reportagem um dirigente com trânsito na cúpula da CBF.

O assunto da retirada da faixa será tema de discussão antes de os jogadores se apresentarem para os duelos com Equador e Colômbia, em setembro, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018. Mas é considerado decidido.

Fique por dentro: Quadro de medalhas do Rio 2016

Na entidade, a decisão de Dunga de elevar Neymar à condição de capitão ao reassumir a seleção, após a Copa do Mundo de 2014, foi considerada um erro. Avaliam até como bem-intencionada a iniciativa do ex-treinador, mas que se mostrou precipitada.

Os constantes cartões amarelos que recebeu desde então, a maioria por reclamação, e o descontrole após da partida contra a Colômbia na Copa América em 2015, quando acabou expulso por cair na provocação dos adversários e depois partiu para cima do juiz são sempre lembrados na CBF.

Tite gostaria de ter como capitão o goleiro Fernando Prass, mas a contusão do palmeirense atrapalhou os planos. O zagueiro Thiago Silva, que exerceu o posto no passado e deve ser resgatado pelo treinador, é tido como candidato natural.


    Leia tudo sobre: futebol