Tamanho do texto

Problema ocorreu no centro de tiro. No Parque Olímpico, porém, filas diminuíram em relação ao primeiro dia

Estadão Conteúdo

O Rio-2016 prometeu agir rápido para tentar evitar a repetição das longas filas que se formaram no sábado em diversos locais de competição da Olimpíada, mas o que se vê na manhã deste domingo no Centro de Tiro Esportivo de Deodoro, na zona Oeste do Rio, são longas filas e muita reclamação.

Rio 2016:  Acompanhe os Jogos Olímpicos em tempo real

Primeiro dia de competições no Parque Olímpico teve muitas filas e reclamações
Reprodução
Primeiro dia de competições no Parque Olímpico teve muitas filas e reclamações


O local tem duas entradas. Uma destinada as torcedores, que devem ingressar ao Parque Olímpico de Deodoro dentro da Vila Militar, onde passam pelos procedimentos de revista e de checagem do ingresso, para depois se locomoverem à pé até as provas de tiro.

A outra é a entrada que atende à força de trabalho (voluntários e funcionários de todos os tipos) e jornalistas. Neste portão, ao norte da Avenida Brasil, só há uma máquina de raio X e, por isso, na manhã deste domingo há uma longa fila, que toma pelo menos 45 minutos das pessoas que precisam acessar o local para trabalhar. Ela também é utilizada por atletas, técnicos e dirigentes, que têm uma fila preferencial. Isso aumenta o tempo de espera dos demais.

Histórico:  Ginástica masculina do Brasil vai à final da Olimpíada

PARQUE OLÍMPICO

A presença de torcedores já é intensa na entrada do Parque Olímpico na manhã desta domingo, mas às 9 hs o fluxo era satisfatório nas filas das duas portarias gerais que dão acesso às arenas que recebem os eventos dos Jogos do Rio.

"Demorei uns 15 minutos pra entrar, não foi demorado", avaliou o advogado Roberto Lopes, de 35 anos, que chegava com amigos para a competição de ginástica artística.

Para entrar é preciso passar pelo detector de metais e, caso a pessoa esteja com uma bolsa, pelo aparelho de raio X. Há uma entrada específica para quem está sem bolsa - nessa, às 9 horas, o tempo para entrar era de aproximadamente cinco minutos.

A engenheira Patrícia Pontes, de 33 anos, levou o filho de dois anos para ver as competições da ginástica artística. "Não tive problema nenhum na entrada", contou.

Por enquanto também não há problemas de grandes filas ou falta de alimentos nos bares do Parque Olímpico. No último sábado, houve dificuldades tanto para entrar nas arenas olímpicas como para comprar comida.