Tamanho do texto

Forte sistema de refrigeração da arena chegou a atrapalhar algumas jogadas. Seleção masculina estreia contra o México, no próximo domingo

Brasil faz primeiro treino no Maracanãzinho
Inovafoto/CBV
Brasil faz primeiro treino no Maracanãzinho

A seleção brasileira masculina de vôlei realizou, na manhã desta quinta, o primeiro treino no Maracanãzinho, onde estreia no próximo domingo, contra o México, no Rio-2016. Em meio à ansiedade com o reconhecimento da arena, alguns atletas estranharam o forte sistema de refrigeração, que chegou a atrapalhar algumas jogadas.

Leia mais: Rússia consegue liberação para atletas de boxe e judô 

"A climatização está um pouco forte, a bola mais alto vem variando. Eu sofri um pouco. Fiz umas bolas a mais no final para sentir se era isso mesmo, você vê pelas bandeiras que o vento está bem intenso", contou o levantador William Arjona. "Não sei se vai estar ligado nesta intensidade, mas é bom ficar esperto", completou.

Titular da posição, Bruninho também sentiu os efeitos dos ventos no decorrer do treino, mas minimizou o impacto durante a partida.

"Para o levantador, você olha e pensa: 'E agora?'. O lance é não pensar muito, pois pode acabar cometendo um erro a mais. Tem que tirar da cabeça e pensar em jogar e contar com a ajuda dos atacantes, já que a bola pode subir mais. O vento é algo para se habituar no jogo", completou.

Confira: Delegação de basquete da China fica presa em tiroteio perto do Complexo da Maré 

Durante o treino, o Maracanãzinho ainda recebia os últimos preparativos para receber a partida de estreia, entre Japão e Coreia do Sul, às 9h30 do sábado. Operários instalavam placas de decoração na arena, e a sinalização de acesso às áreas internas causou confusão para jornalistas, voluntários e técnicos estrangeiros. Do lado de fora, ainda há obras no entorno das estações de metrô que dão acesso ao complexo.

Apesar dos reparos, os jogadores novatos na competição comemoravam a chegada à Vila Olímpica, na noite de quarta, após temporada de treinos em Saquarema, no interior do Rio.

"Passa um filme na cabeça. Sempre sonhei com esse momento desde moleque. Quando botei o crachá no peito, a perna dá uma bambeada. O espírito olímpico bate de imediato", contou William, que participa pela primeira vez de uma edição da Olimpíada.