Tamanho do texto

Arthur Zanetti, Arthur Nory Mariano e Sergio Sasaki já eram nomes praticamente certos e foram confirmados nesta sexta-feira

Estadão Conteúdo

Diego Hypolito confirmou vaga nos Jogos do Rio
Ricardo Bufolin / CBG
Diego Hypolito confirmou vaga nos Jogos do Rio

Francisco Barretto e Diego Hypolito venceram a concorrência que envolveu quase uma dezena de ginastas e ficaram com as duas vagas restantes na seleção brasileira masculina de ginástica artística que vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio. Arthur Zanetti, Arthur Nory Mariano e Sergio Sasaki já eram nomes praticamente certos e foram confirmados nesta sexta-feira.

LEIA MAIS:  Scheidt vê rivais melhorarem e avisa: 'Rio 2016 vai ser muito mais difícil'

A comissão técnica havia definido que o time, de cinco membros, teria pelo menos três generalistas (atletas que competem bem em todos os seis aparelhos) e um especialista. Nory e Sasaki, ginastas que ficaram no Top 10 dos últimos Mundiais no individual geral, se encaixam no primeiro perfil. Arthur Zanetti candidato ao bi olímpico nas argolas, era o único especialista garantido.

LEIA MAIS:  Convocada pelo Brasil para a Olimpíada, esgrimista húngara perde naturalização

Pelo que indica a convocação, os técnicos optaram por fechar a equipe com um segundo especialista. Escolheram Diego Hypolito, cinco vezes medalhista em Mundiais no solo e que ganhou o bronze em 2014. No ano passado, ele não disputou o Mundial porque a escalação privilegiou o resultado por equipes, exatamente para que o Brasil se classificasse à Olimpíada.

A terceira e última vaga de especialista no Rio-2016 era disputada por Caio Souza, Lucas Bitencourt, Péricles Silva, Pétrix Barbosa e Francisco Barretto. Após pelo menos quatro observações internas e levando em conta o desempenho em aparelhos nos quais o Brasil não vai tão bem (barras e cavalo), Chico acabou escolhido. Caio e Lucas Bitencourt ficam como reservas.

"Essa configuração da equipe se deve ao estudo do maior número possível de finais para o Brasil e, consequentemente, de medalhas. Esses ginastas foram os melhores nas últimas avaliações que fizemos", explicou Leonardo Finco, coordenador da seleção masculina.

Na comparação com o time que conquistou a inédita vaga olímpica por equipes para o Brasil no Mundial do ano passado, ficam fora não só Caio e Lucas como também Péricles Silva, que não foi chamado nem para ser reserva. Eles dão lugar a Diego, preterido no Mundial por ser especialista, e a Sasaki, que se recuperou de contusão.

No Rio, o Brasil tem boas chances de medalha com Arthur Zanetti, nas argolas, e com Diego Hypolito, no solo. Além disso, há a expectativa por finais com Sergio Sasaki, no salto, e Arthur Nory, na barra faixa. Sasaki, inclusive, foi muito bem no salto nas últimas competições. Ele e Nory devem brigar no Top 10 do individual geral.

A competição de ginástica no Rio começa em 6 de agosto, com a classificatória masculina. O Brasil compete na primeira sessão, das 10h30s à 13h00, começando sua apresentação nas argolas.

ENTRE AS MULHERES

Anunciada nesta sexta-feira, a convocação da seleção brasileira feminina de ginástica artística que vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio não traz surpresas. A equipe é a mesma que, em abril, conquistou a vaga olímpica para o País: Daniele Hypolito, Flávia Saraiva, Jade Barbosa, Lorrane Oliveira e Rebeca Andrade.

Jade Barbosa estará nos Jogos
Ricardo Bufolin/CBG
Jade Barbosa estará nos Jogos

Naquela competição, Carolyne Pedro, de apenas 15 anos, também competiu, uma vez que o Pré-Olímpico permitia a participação de seis ginastas por país. Na Olimpíada, a cota cai para cinco ginastas por equipes e, por isso, a própria Carolyne fica como reserva.

No sábado, a equipe participa de um amistoso em Beekbergen, na Holanda, contra as donas da casa, a Suécia e a Austrália. Lá, também estão Julie Kim Sinmon e Milena Theodoro, mais experientes, que acabaram preteridas no posto de reserva.

"A nossa equipe foi muito bem no evento-teste e não tínhamos dúvidas em relação às convocadas. Agora, a nossa decisão se baseia em quais ginastas irão competir cada prova, mas esse é nosso segredo, como parte da estratégia. Queremos o maior número de finais possíveis para estarmos perto das possibilidades de medalhas. Todas as meninas estão bem para isso", comenta Georgette Vidor, coordenadora da seleção.

Na fase de classificação da Olimpíada, que vai acontecer em 7 de agosto, domingo, quatro ginastas competem em cada aparelho. A tendência é que Flávia e Rebeca compitam em todos, para que possam brigar por finais no individual geral. O segredo guardado a sete chaves é quem, entre Lorrane, Daniele e Jade, fica fora em cada aparelho.

Ou, ainda, se Lorrane também tenta o individual geral. Aí, Daniele e Jade, únicas com experiência olímpica, se revezam entre os quatro aparelhos. A veterana, de 31 anos, vai para a quinta Olimpíada, igualando Fofão, do vôlei, e Formiga, do futebol. Esta última, porém, deverá ser convocada na terça-feira para ir à sexta Olimpíada e se isolar entre as recordistas. Fernanda Oliveira, da vela, e Adrianinha, do basquete, também estão indo para a quinta participação.

Já Jade Barbosa, aos 25 anos, vai para sua segunda Olimpíada, apenas. Ela fez três finais em Pequim, em 2008, ficando em 10.º no individual geral e em sétimo no salto. Depois, sofreu com lesões. Em 2012, chegou a ser convocada para ir aos Jogos de Londres, mas foi cortado por não concordar com os termos do contrato de uso de uniformes e marcas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.