Tamanho do texto

Na Olimpíada, o local abrirá sempre duas horas antes do início da primeira competição esportiva e permanecerá aberto até uma hora após o término da última sessão

Parque Olímpico no Rio de Janeiro
Divulgação
Parque Olímpico no Rio de Janeiro


Principal local de competições dos Jogos do Rio, o Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, ainda passa por intensa preparação. O motivo são os números grandiosos. Mais do que os milhares de atletas que competirão nas 16 modalidades olímpicas e nove paralímpicas, o parque, com total de 1,18 milhão de m², deverá receber 180 mil pessoas todos os dias durante a Olimpíada. A intenção do Comitê Rio-2016 é que a experiência olímpica dos visitantes vá muito além das arenas de competição.

Com todos os locais de disputa já erguidos - ou quase, uma vez que o velódromo, entregue oficialmente neste domingo, e o Centro de Tênis ainda estão em obras -, o Rio-2016 corre para fazer da parte interna do parque um imenso espaço de convivência.

Na Olimpíada, o Parque Olímpico abrirá sempre duas horas antes do início da primeira competição esportiva e permanecerá aberto até uma hora após o término da última sessão. Quem tiver ingresso para alguma disputa no local poderá entrar e sair do parque a qualquer momento daquele dia.

Haverá duas grandes entradas. A nordeste, próxima ao Parque Aquático Maria Lenk, deverá receber 20% do fluxo de torcedores. A noroeste, para quem vier pelo Riocentro, os outros 80%. O motivo do fluxo quatro vezes maior é que aquele portão é o mais próximo do corredor de ônibus que ligará o Parque Olímpico ao Complexo Esportivo de Deodoro, segundo principal centro de disputas dos Jogos.

Nos dois casos, ao entrar no parque o torcedor terá de passar pela Via Olímpica. “É o caminho dos Jogos para o espectador. É o que a gente chama de Front of House, já que é a entrada de todas as instalações”, explicou André Furtado, gerente geral de Instalações do Comitê Rio-2016 para a região da Barra da Tijuca.

Calçadão

A Via Olímpica tem pouco mais de um quilômetro de extensão. Com formato sinuoso, lembrando o calçadão de Copacabana, ela conta com cinco terraços e dois mirantes. Quase no meio dela, à direita, ficará uma grande praça de alimentação.

“Esse será o local onde o espectador terá a primeira experiência fora das instalações. Além da praça de alimentação, esse primeiro local de convivência dos Jogos contará com uma Mega Store com cinco mil metros quadrados, a maior de todos os Jogos até hoje”, contou o gerente. Os patrocinadores oficiais da Olimpíada também terão áreas específicas em instalações que estão sendo erguidas ao lado da loja.

O Rio-2016 promete que a praça de alimentação contará com várias opções de refeições e lanches, já que foram feitas concessões específicas para o fornecimento de comida. Bares e lanchonetes terão cardápio variado, inclusive para vegetarianos.

A segunda área de convivência fica ao final do Parque Olímpico, localizada 1,2 km além dos portões de entrada. Trata-se do Live Site, espaço que servirá para a “fan fest” olímpica. Um telão será instalado para a exibição ao vivo de algumas sessões esportivas. Haverá ainda shows e sessões de fotos. O Live Site fica à beira da lagoa de Jacarepaguá - uma grade impedirá o acesso ao espelho d’água.

Segundo o Comitê Organizador, 80% do total de ingressos para as disputas que ocorrerão no Parque Olímpico já foram vendidos. É baseado nesse número que o Rio-2016 estima que 180 mil pessoas circularão pelo local todos os dias, público quase duas vezes e meia maior do que esteve no estádio do Maracanã na final da Copa do Mundo de 2014.

Restrição de objetos e acesso só por transporte público

Mais do que contar com o ingresso para alguma sessão que ocorra naquele dia, para acessar o Parque Olímpico o torcedor precisará ficar atento para evitar contratempos. Há uma lista de itens proibidos de se levar ao local, o que inclui até mesmo tampa em garrafas d’água.

A relação de objetos proibidos consta nos ingressos. “Na hora de sair de casa, é bom revisá-lo para evitar dissabores na hora da entrada”, disse André Furtado, gerente geral de Instalações do Comitê Rio-2016 para a região da Barra da Tijuca.

Garrafas d’água, por exemplo, só poderão ser levadas se estiverem sem rótulo e até mesmo sem a tampa. A explicação é que fechada, uma garrafinha poderia ser arremessada e machucar alguém. O chamado “pau de selfie”, capacete, objetos que emitam som (como apitos) ou sejam pontiagudos também são proibidos, assim como balões ou recipientes com qualquer tipo de gás, como os aerossóis. Protetor solar é permitido, em frascos de até 200 ml.

Os pais precisam desembolsar ingressos para os filhos pequenos. Isso porque ser criança de colo não garante entrada no Parque Olímpico. O Rio-2016 alerta que toda criança maior de dois anos só conseguirá entrar se tiver ingresso próprio.

Para chegar ao local, a única opção é o transporte público, via BRT. Duas estações ficam próximas ao Parque Olímpico. Carros, táxis, vans, motos ou bicicletas não terão acesso às vias de entorno, salvo os da família olímpica ou de moradores previamente cadastrados. Skates, mesmo que carregados na mão, também serão vetados.

Pela programação, a maioria das arenas abrirá duas horas antes do início da disputa - o Parque Olímpico abrirá diariamente duas horas antes da primeira competição agendada. Como haverá duas grandes áreas de convivência, o Rio-2016 espera que os torcedores cheguem cedo para evitar correria de última hora.

“Como deverá haver um fluxo grande de pessoas, a gente preconiza que o espectador chegue no Parque pelo menos uma hora e meia antes da sessão começar, para que consiga se localizar, conhecer o parque e ir se sentar confortavelmente sem atraso”, explicou Furtado.