Tamanho do texto

"Essa abordagem foi um senso comum para um problema muito sério que estamos enfrentando no Rio", disse um representante

Estadão Conteúdo

Preservativo especial contra o zika
Divulgação
Preservativo especial contra o zika

Os atletas australianos que participarão dos Jogos Olímpicos do Rio, marcado para o período entre os dias 5 e 21 de agosto, receberão preservativos que os fabricantes dizem que vai oferecer "quase completa" proteção contra o vírus zika.

O Comitê Olímpico Australiano anunciou nesta segunda-feira a medida sanitária para o evento, em um comunicado. "Essa abordagem foi um senso comum para um problema muito sério que estamos enfrentando no Rio", declarou Kitty Chiller, a chefe da equipe de missão.

O vírus zika, transmitida por mosquitos, é uma epidemia na América Latina e Central, e a Organização Mundial de Saúde declarou um status de emergência de saúde pública de importância global para a doença. Na maioria das pessoas, o zika não chega a ser uma doença grave, mas acredita-se que possa provocar a microcefalia em recém-nascidos.

As empresas Starpharma Holdings e Ansell se juntaram para produzir preservativos que possuem um lubrificante que contêm um agente antiviral que neutraliza vírus que causam infecções sexualmente transmissíveis. A Starpharma disse em um comunicado que esse lubrificante mostrou quase completa proteção antiviral contra o Zika em estudos de laboratório.

Mosquito Aedes aegypti, transmissor do zika vírus
undefined
Mosquito Aedes aegypti, transmissor do zika vírus


Outros países estão tomando precauções antes dos Jogos, incluindo os Estados Unidos, que enviarão a maior delegação para a Olimpíada. O Comitê Olímpico dos Estados Unidos formou um grupo que irá estabelecer as melhores práticas e fornecerá informações para os atletas e outros membros da delegação que viajarem ao Brasil.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA aconselhou recentemente as mulheres grávidas a avaliarem se devem vir ao País para a Olimpíada e aos seus parceiros sexuais a usarem preservativos depois da viagem por um período ou se absterem de sexo durante a gravidez. O órgão também recomendou a todos os viajantes o uso de repelentes.