Tamanho do texto

Atletas russos estão impossibilitados de competir no exterior, até março, por decisão da Federação Internacional de Atletismo (IAAF)

Isinbayeva,  ouro no salto com vara do Mundial
AP Photo/Misha Japaridze
Isinbayeva, ouro no salto com vara do Mundial

A saltadora russa Yelena Isinbayeva participará de provas no inverno na Rússia para se preparar para os Jogos Olímpicos de 2016, em meio à suspensão provisória da Federação Russa de Atletismo (FRA) por fazer vista grossa com o doping.

Diante da impossibilidade de competir no exterior por decisão da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), pelo menos, até março do próximo ano, Isinbayeva terá como única opção participar de provas em território russo.

"Isinbayeva decidiu marcar como prioridade a final de março. Além disso, saltará em casa, em Volgogrado", disse hoje Yuri Borzakovski, treinador-chefe da seleção russa, à imprensa local.

A Rússia decidiu organizar uma série de sete competições de atletismo, sem contar a final que acontecerá em março, para que seus atletas possam competir e conseguir as marcas mínimas para os Jogos Olímpicos.

O ministro dos Esportes, Vitaly Mutko, afirmou hoje que a próxima reunião da IAAF, na qual será abordado o escândalo de doping, vai acontecer em 27 de março. Neste caso, os atletas russos perderiam o Mundial indoor, que acontecerá de 17 a 20 de março em Portland (EUA).

Leia também:
Governo e especialistas veem risco baixo de ataque terrorista na Olimpíada

Para algumas modalidades, como é o caso do salto com vara, o Mundial é crucial na preparação para os Jogos do Rio. O presidente da IAAF, Sebastian Coe, se negou na semana passada a dar uma data para a possível absolvição da Rússia.

"Não pode haver nenhum tipo de prazo para o retorno da Federação Russa de Atletismo até que não tenhamos certeza de que todos os critérios foram respeitados", disse.

A comissão independente da Agência Mundial de Antidoping (AMA) acusa a Rússia de uma trama que incluiria o encobrimento de casos positivos, a extorsão de atletas, o pagamento de propinas e a destruição de provas sobre o consumo de substâncias proibidas com a conivência das autoridades.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas