Tamanho do texto

Hugo Calderano, carioca de 19 anos, concorre com japonesa e sul-coreano a prêmio de melhor jovem do circuito. Nunca um brasileiro ficou entre os três finalistas. Vencedor sai no dia 9 de dezembro

O mesa-tenista Hugo Calderano, de 19 anos, é um dos principais destaques da base do Brasil
Stanley Chou/Getty Images
O mesa-tenista Hugo Calderano, de 19 anos, é um dos principais destaques da base do Brasil


Grande esperança do tênis de mesa brasileiro, o carioca Hugo Calderano pode encerrar sua temporada com reconhecimento mundial. O atleta de 19 anos foi anunciado como finalista do prêmio de "Revelação do Ano" oferecido pela ITTF (Federação Internacional de Tênis de Mesa, na sigla em inglês).

O vencedor será conhecido no próximo dia 9, durante evento de gala na capital portuguesa Lisboa. É a primeira vez que um brasileiro é indicado a uma categoria da gala anual da ITTF. Os adversários pelo prêmio serão a japonesa Mima Ito e o sul-coreano Jang Woojin. 

Leia também
O ponto mais impressionante da história do tênis de mesa? Assista

“Foi um ano de conquistas importantes para mim e fico muito feliz com esse reconhecimento. É uma demonstração do potencial que eles enxergam em mim. Espero agora ser o vencedor (risos)”, disse o alderano, que defende o Liebherr Ochsenhausen na Liga Alemã, a mais importante da Europa.

Hugo Calderano, Thiago Monteiro e Gustavo Tsuboi, ouro por equipes no tênis de mesa do Pan
Jonne Roriz/Exemplus/COB
Hugo Calderano, Thiago Monteiro e Gustavo Tsuboi, ouro por equipes no tênis de mesa do Pan


Após conquistar no ano passado a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude, na China, Hugo voltou a ter uma temporada de resultados históricos. O principal deles, na visão do próprio mesatenista, foi a conquista do ouro individual nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, que lhe valeu a classificação direta para os Jogos Olímpicos Rio 2016.

“Sem dúvidas, foi meu principal momento na temporada. Foi meu primeiro Pan, com a vaga olímpica em disputa, e consegui jogar bem e ser campeão nas equipes e no individual”, disse, lembrando ainda o título ao lado de Gustavo Tsuboi e Thiago Monteiro.

No início do ano, Hugo já havia feito história ao levar com Tsuboi a medalha de prata no torneio de duplas masculinas do Aberto do Qatar. O resultado foi o melhor das Américas em todos os tempos em uma etapa da série Super do Circuito Mundial, equivalente a um Grand Slam no tênis.

“No Qatar, estávamos no começo da parceria e conseguimos jogar muito bem. Aquele resultado mostrou o potencial que temos juntos”, afirmou Hugo.

Outro resultado de destaque de Hugo na temporada foi o bicampeonato individual no Campeonato Latino-Americano, disputado em Buenos Aires, na Argentina. “Joguei muito bem, até porque tive de superar as dores nas costas no dia das finais. E também é mais difícil jogar com o favoritismo, tem de ter muito foco para que isso não me atrapalhe”, avaliou.

Hugo está em fase final de recuperação de uma lesão na mão que o tirou de ação por cerca de dois meses. “Pude trabalhar muito a parte física nesse período, o que foi muito bom para mim. Espero voltar ainda melhor”, disse. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas