Tamanho do texto

Seleção brasileira está com vaga garantida nas Olimpíadas como país-sede e usa torneio continental para observar jovens em ação. Estreia será diante do Uruguai, na segunda-feira

Aos 21 anos, armador Deryk Ramos é o caçula de seleção com média de idade baixa
Célio Messias/Inovafoto
Aos 21 anos, armador Deryk Ramos é o caçula de seleção com média de idade baixa


A seleção brasileira de basquete masculino vai disputar, a partir desta segunda-feira, a Copa América com outro tipo de pressão. A competição vai definir dois representantes do continente nas Olimpíadas do Rio 2016. Com a vaga enfim garantida como país-sede, os jogadores convocados por Rubén Magnano podem usar o torneio, na Cidade do México, como um vestibular. Em um grupo renovado, vão tentar mostrar serviço e convencer o argentino de que merecem uma vaga na equipe olímpica.

Isso porque, depois de uma longa novela, a seleção brasileira teve a vaga como país-sede dos Jogos confirmada pela Federação Internacional de Basquete (Fiba) , e com isso a equipe entra em quadra pelo torneio continental sem a obrigação de uma conquista, mas tendo de impressionar seu técnico.

Leia: Larissa e Talita garantem vaga no vôlei de praia para os Jogos Olímpicos do Rio

A lista elaborada é reflexo disso. Sem os “medalhões” que jogam na NBA, Magnano chamou a base que levou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto , tendo como destaque o ala-armador Vitor Benite, e o ala-pivô Augusto Lima – que, na próxima temporada, serão companheiros no basquete espanhol, jogando pelo Murcia. Adicionou os veteranos Marquinhos, ala do Flamengo, e Guilherme Giovannoni, do Brasília, e os jovens Deryk Ramos, armador de Limeira, e Danilo Siqueira, ala do Minas Tênis Clube. Teve, ainda, as baixas de Larry Taylor  e Rafael Hettsheimeir, que pediram dispensa.

Leia mais: Ministério pagará até R$ 9 mil de diária para lavar roupa do basquete

Recém-contratado por clube espanhol, Benite será referência da seleção na Copa América
Célio Messias/Inovafoto
Recém-contratado por clube espanhol, Benite será referência da seleção na Copa América

Além de garimpar nomes que podem compor o grupo olímpico em 2016 – este, sim, com a expectativa de poder usar força máxima –, Magnano usa o torneio para dar rodagem aos mais novos que lutam por mais espaço na seleção para depois dos Jogos do Rio 2016. 

“Dentro do planejamento elaborado pelo departamento técnico e a comissão técnica da seleção brasileira, a temporada 2015 seria utilizada para dar experiência e aprimorar o desenvolvimento de alguns atletas já pensando nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e no futuro da equipe nacional”, declarou o diretor técnico da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Vanderlei Mazzuchini.

A composição da seleção não é exclusiva, porém. Giovannoni, de 35 anos, e o pivô João Paulo Batista, 33, recém-contratado pelo Flamengo, dificilmente vão fazer parte do novo ciclo olímpico. 

Veja também:  Jogador dá medalha de ouro a Magnano, que se emociona

Campeão pela última vez em 2009, o Brasil está no grupo A da Copa América, ao lado de Uruguai, Panamá, República Dominicana e do México. No Grupo B estão Argentina, Canadá, Cuba, Porto Rico e Venezuela. Pela fórmula de disputa do torneio, todos jogam entre si dentro de cada chave, com os quatro melhores avançando para a segunda fase. Os quatro classificados, então, jogam contra os quatro da outra chave e somam os resultados com os da primeira fase. Com isso, os dois melhores de cada grupo fazem às semifinais.

Apenas os dois finalistas garantem vaga direta na Rio 2016, enquanto terceiro, quarto e quinto colocados vão para uma espécie de repescagem mundial, onde mais três vagas estarão em disputa contra representantes de todos os continentes.

Confira imagens do basquete nos Jogos Pan-Americanos de Toronto:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.