Tamanho do texto

Para prefeito Eduardo Paes, Rio não cumprirá compromisso olímpico de limpar pelo menos 80% da Baía

O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro e do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, disse hoje (5) que "é preciso mais do que água e vento" para que alguma cidade possa receber as competições olímpicas de vela no lugar do Rio de Janeiro.

Eco-barcos estão sendo usados na limpeza da Baía de Guanabara
Divulgação
Eco-barcos estão sendo usados na limpeza da Baía de Guanabara

Em entrevista a jornalistas, como parte da agenda dos 100 dias dos jogos olímpicos, a despoluição da Baía de Guanabara foi tema da maior parte das perguntas da imprensa estrangeira, e Nuzman descartou mudança da competição para Búzios.

E mais:  Após mergulho, presidente do COI diz que poluição da água no Rio será monitorada

"Os problemas relativos a esgoto estão sendo tratados. Vamos tratar da melhor maneira possível", disse ele. Os atletas brasileiros da vela treinam na Baía de Guanabara para as competições.

Leia ainda:  COI atenua críticas, mas Rio ainda corre contra o tempo por obras. Veja fotos

Apesar de a competência do tratamento do esgoto pertencer ao governo do estado, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, estimou que 60% do esgoto que chega à baía estará tratado em 2016, 20 pontos percentuais a menos que o compromisso olímpico. "A pressão não é ruim. E importante para que o Rio resolva", destacou Paes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.