Tamanho do texto

Velejador brasileiro, dono de cinco medalhas olímpicas, fechou a temporada com a conquista do mundial da classe Laser, categoria que não disputava competições há oito anos

O tempo não é problema para Robert Scheidt. Com 40 anos de idade, sua sede por conquistas segue incessante e os desafios não param. O último deles foi voltar a velejar pela classe Laser, categoria que lhe rendeu três medalhas olímpicas, mas que não praticava há oito anos. Com a Star fora dos Jogos do Rio 2016, o brasileiro retomou as atividades na antiga classe e foi novamente vitorioso.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Aos 40 anos, Robert Scheidt é o atual campeão mundial da classe Laser
Djalma Vassão/Gazeta Press
Aos 40 anos, Robert Scheidt é o atual campeão mundial da classe Laser

No fim de novembro, o veterano velejador conquistou o seu 10º mundial de Laser da carreira, em Omã, na Arábia Saudita. E fechou a temporada vencendo a Star Sailors League Finals, em Nassau, nas Bahamas, ao lado de Bruno Prada. 

Leia mais: Robert Scheidt e Bruno Prada são campeões da inédita Star Sailors League

"Estou feliz em voltar para o Brasil. Tive uma temporada longa na Europa, que terminou de maneira excepcional. O título mundial tem um sabor especial, pois tive de voltar para uma classe que não velejava há oito anos. Foi uma mudança difícil, mas que vem dando certo", disse o velejador brasileiro, nesta quarta-feira, em entrevista coletiva realizada em São Paulo. 

Mesmo com o sucesso aos 40 anos, Scheidt admite que não é o garoto de antes. Assim, vem mudando sua preparação física e técnica no período que antecede os Jogos do Rio, em 2016.  "Não treino mais quatro horas por dias, faço duas ou duas horas e meia. Penso de forma antecipada o que preciso fazer na água, priorizo a qualidade", disse o velejador, que detalhou sua preparação "chata", porém necessária.  

"Faço bicicleta, alongamentos, uma série de exercícios para a prevensão de lesões, principalmente para coluna e abdome. É chato, mas necessário e faz muita diferença. Vela também não é só físico. Sei que hoje não tenho a mesma idade, mas tenho experiência, bagagem e aguento mais a pressão", comentou o maior medalhista brasileiro da história das Olimpíadas. 

Scheidt vai chegar nos Jogos do Rio com 43 anos de idade e admite que atualmente não pensa mais em vencer todas as competições que disputa. "Meu foco hoje não é mais ganhar tudo, mas o que é prioridade para mim. Ano que vem tem o mundial e o evento teste no Rio. Porém, se eu não ganhar mais nenhum mundial até 2016, não vejo problema. O que interessa é chegar bem fisicamente nas Olimpíadas, para ganhar uma medalha em casa".