Tamanho do texto

Surfista potiguar ganhou a única nota 10 do Corona Bali Protected nas semifinais e fez um novo recorde de 18,83 pontos na decisão do título

Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali
WSL / Ed Sloane
Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali

O potiguar Ítalo Ferreira foi coroado como campeão do Corona Bali Protected e carregado no trono pelos balineses ao sair do mar como Rei de Keramas, após a vitória espetacular no quinto desafio do  Mundial de surfe , na Indonésia.

Leia também: Brasil é vice-campeão da primeira competição de países da WSL

Com um backside imbatível nas direitas perfeitas de Keramas,  Ítalo Ferreira tirou a única nota 10 do evento nas semifinais e fez um novo recorde de 18,33 pontos na decisão contra o taitiano Michel Bourez, neste domingo, em Bali.

A vitória era o único resultado para Ítalo recuperar a lycra amarela do Jeep Leaderboard, que Filipe Toledo já tinha tirado do australiano Julian Wilson na Indonésia. Os dois brasileiros agora lideram a corrida pelo título mundial da temporada 2018.

"É muito legal voltar a usar a lycra do Jeep Leader, quero aproveitar este momento, mas tem muitos passos ainda que preciso dar para chegar ao título mundial", disse o brasileiro. "O CT está cheio de surfistas incríveis, mas estou confiante, quero manter o ritmo e ganhar mais para aumentar minha liderança".

O novo número 1 do mundo não deu qualquer chance ao taitiano Michel Bourez, que chegou na final em Keramas como em 2013, na única etapa do CT nessa praia de Bali, vencida pelo australiano Joel Parkinson.

Ítalo já começou forte a bateria com seu backside imbatível massacrando as ondas com batidas verticais, rasgadas também abrindo grandes leques de água, variando as manobras com uma velocidade impressionante.

Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali
WSL / Kelly Cestari
Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali

Ele largou na frente com notas 7,17 e 7,67 nas duas primeiras ondas, enquanto Michel Bourez falhava nas primeiras tentativas. Não tinham os tubos que o levaram até ali e o máximo que conseguiu com manobras foi 5,83 na bateria.

Já Italo Ferreira estava muito bem, dando um show a cada onda, acertando tudo com um surfe moderno, recheado de manobras progressivas e inovadoras de backside nas direitas de Keramas.

Leia também: Brasileiros são premiados no "Oscar" das ondas gigantes da Liga Mundial de Surfe

A terceira onda dele já entrou no critério excelente dos juízes, 8,5, que acabou descartada porque ganhou 9,27 e 9,60 nas duas seguintes, para fechar a “combination” sobre o taitiano em 18,87 a 9,83 pontos.

"Essa onda aqui é perfeita, lembra bastante a da minha casa (Baía Formosa). Eu tenho surfado bem cedo aqui todos os dias porque eu amo essa onda e queria aproveitar ao máximo. Hoje (domingo) foi um dia perfeito. O Michel Bourez tem realmente um power-surf, provavelmente o melhor do Tour, então eu sabia que precisava fazer o meu melhor para vencer. Felizmente para mim, encontrei algumas boas ondas para mostrar o meu surfe", comentou o campeão da etapa em Bali.

Italo foi o primeiro a vencer duas etapas esse ano, metade das quatro completadas. Filipe Toledo ganhou o Oi Rio Pro em Saquarema e a outra foi Julian Wilson na Gold Coast. O potiguar parece estar colecionando vitórias emblemáticas. A primeira badalando o sino do troféu do Rip Curl Pro Bells Beach, a etapa mais antiga do Circuito Mundial, na bateria que encerrou a carreira do tricampeão mundial Mick Fanning.

Agora, vivenciou todo o cerimonial do reino balinês em Keramas, sendo coroado ao sair do mar e carregado no trono até o pódio, já com uma vestimenta da Indonésia e uma bandeira do Brasil.

O Mundial

Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali
WSL / Kelly Cestari
Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali

Ítalo vai competir como líder isolado pela primeira vez esse ano, já que chegou a dividir a primeira colocação com Julian Wilson após Margaret River e no Oi Rio Pro em Saquarema. Filipe Toledo já tinha tirado o primeiro lugar do australiano na terceira fase e Ítalo Ferreira precisava vencer o campeonato.

Conseguiu e a batalha continua já a partir de quarta-feira em Bali mesmo, nas esquerdas tubulares de Uluwatu, onde será finalizada a etapa de Margaret River cancelada na terceira fase, pela ameaça de tubarões na região do evento no oeste da Austrália.

Enquanto os brasileiros assumem a dianteira na corrida pelo título mundial, o taitiano Michel Bourez também entrou na briga com o vice-campeonato em Keramas, tirando o quarto lugar de Gabriel Medina no ranking.

A disputa pela lycra amarela do Jeep Leaderboard em Uluwatu será só entre os cinco primeiros, Ítalo Ferreira, Filipe Toledo, Julian Wilson, Michel Bourez e Gabriel Medina, que tem que vencer o campeonato e Ítalo não passar nenhuma bateria.

Bourez precisa chegar na final para isso, Julian Wilson nas semifinais e Filipe nas quartas de final, ou seja, passar duas baterias em Uluwatu. Isso se o líder Ítalo Ferreira perder o duelo brasileiro com o cearense Michael Rodrigues pela terceira fase do Margaret River Pro em Bali.

Semifinal nota 10

Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali
WSL / Kelly Cestari
Ítalo Ferreira venceu etapa em Bali

Ítalo respondeu com o seu primeiro ataque feroz de backside tirando 7,13 na primeira onda. A prioridade de escolha da próxima ficou então para o sul-africano, mas ele deixou passar uma e o brasileiro foi nela. Ele já entrou buscando uma rampa para voar e decolou num aéreo muito alto, fez a rotação completa e aterrissou na base, com controle total e ainda mandou mais duas manobras muito fortes. Foi uma apresentação impressionante e o público vibrou no domingo de praia lotada em Keramas.  

Leia também: Filipe Toledo é campeão da quarta etapa do Mundial de surfe, em Saquarema

O próprio surfista se aplaudiu no final da onda e abriu as duas mãos pedindo nota 10 para os juízes. Eles atenderam e o brasileiro passou à frente pela primeira vez na bateria.

Jordy ficou precisando de 9,13 e a 9 minutos do fim achou um tubo incrível, longo, saiu e recebeu 8,93, diminuindo a vantagem de Ítalo Ferreira para 8,21 pontos possíveis para quem já tinha conseguido isso várias vezes durante o evento. Só que não entraram mais ondas com potencial para isso e o placar foi encerrado já com um novo recorde de 17,13 pontos, contra 16,93 do sul-africano.

    Leia tudo sobre: Surfe