Tamanho do texto

Morten Soubak fez medalhas de prata e desafiou time na véspera de final com Sérvia: "Se querem ouro, vão buscar"

“A prata está aqui. O ouro vocês terão de buscar”. Foi com estas palavras e uma brincadeira que o técnico Morten Soubak motivou a seleção brasileira antes da decisão do Mundial feminino de handebol. O jogo era contra a Sérvia, anfitriã do torneio, e valia um título inédito para o País. O resultado, todos já sabem: 22 a 20 para o Brasil e a histórica conquista.

Leia: Campeã mundial, seleção de handebol desembarca com festa e cobrança por apoio

“A gente tinha na cabeça o objetivo de ganhar, sempre de ganhar. E a partir do momento que a gente chegou na final, já tinha uma medalha no peito, com a opção de escolher ouro ou prata. Ele (Soubak) falou ‘se vocês quiserem eu dou a de prata para vocês’. A gente falou que não queria, então ele disse para a gente ir buscar”, falou Dara, capitã da seleção brasileira.

Marcelo Laguna: Após a festa, o handebol precisa olhar o futuro

“Ele (Soubak) fez uma medalha de prata pra gente e entregou e falou ‘quem quiser a medalha de ouro, está aqui comigo, vem buscar’. E a gente pulou em cima dele. Essa foi a motivação para o jogo. Ninguém estaria satisfeito com a medalha de prata, então por que não lutar pelo ouro? Foi o que a gente fez até o final”, contou a goleira Babi.

Foi desta forma que o Brasil, em sua primeira final de Mundial de handebol, superou a dona da casa Sérvia. Antes, a seleção já havia feito história ao simplesmente chegar a uma decisão pela primeira vez. A vitória coroa o trabalho de Soubak, no comando do time desde 2009.

“Morten conseguiu respeitar nosso estilo trazendo um pouco de técnica. Ele respeitou nosso estilo brasileiro de jogar. Ele nunca quis que a gente jogasse como as europeias e foi muito feliz na aposta que fez nesse grupo”, afirmou Dara.

Antes do título, a melhor campanha brasileira em um Mundial de handebol feminino havia o quinto lugar obtido há dois anos.