Tamanho do texto

Sem lutar desde fevereiro deste ano, Marcus Oliveira, o Ratinho, enfrentava confusões e diversos calotes da empresa do badalado promotor, mas obteve a liberação do contrato

Marcus Oliveira lutou pela última vez em fevereiro deste ano. Agora, foi liberado pela empresa de Don King
Divulgação
Marcus Oliveira lutou pela última vez em fevereiro deste ano. Agora, foi liberado pela empresa de Don King

O boxeador brasileiro Marcus Oliveira, o Ratinho, que desde 2012 atuava nos Estados Unidos sob contrato com o badalado promotor Don King, que já organizou lutas de Muhammad Ali e Mike Tyson, entre outros astros, conseguiu na última sexta-feira uma espécie de “carta de alforria”, ao ser liberado de seu contrato com a DKP (Don King Promotions). Entre os motivos do rompimento, segundo o brasileiro, estão calotes no pagamento do aluguel e auxílio alimentação, além da dificuldade em marcar uma nova luta para Ratinho.

A última vez em que o brasileiro (que compete na categoria meio-pesado) subiu em um ringue foi em fevereiro deste ano. Após quase dois anos parado, em razão de uma grave lesão no olho, Ratinho voltou a lutar, mas a DKP mudou seu adversário três vezes. No final, no combate realizado em Cleveland, o brasileiro acabou derrotado pelo americano Joell Godfrey , originalmente um peso pesado, por pontos, conforme relatou o iG Esporte na ocasião.

Desde então, Marcus Oliveira vinha aguardando uma nova luta ser agendada pelo escritório de King, mas nada aconteceu. Para piorar, os pagamentos do aluguel da casa onde ele vive na Flórida, ao lado da mulher e assessora de imprensa Juliana Casellatto, deixaram de ser pagos pela DKP, assim como um auxílio alimentação, que também constava em contrato. “No começo de junho, tivemos uma reunião com Don King, que disse que iria arrumar uma luta para o Marcus e também resolveria os demais problemas. Só que essa luta jamais apareceu, assim como os pagamentos também não”, relata Juliana.

Veja mais: Pupilo de Don King, brasileiro tenta retomar carreira no boxe após dramas

Marcus Ratinho precisou dispensar seu antigo técnico, John David Jackson (esq), por falta de pagamento da empresa de Don King
Divulgação
Marcus Ratinho precisou dispensar seu antigo técnico, John David Jackson (esq), por falta de pagamento da empresa de Don King

O calote da empresa do promotor de boxe também afetou os treinamentos de Ratinho. A falta de dinheiro fez com que ele tivesse que interromper seus treinos com o técnico John David Jackson, que foi campeão mundial dos meio-médios no final dos anos 90. “O Marcus estava feliz com a parceira com o Jackson, mas sem os pagamentos,tivemos que interromper os treinos”, relata Juliana.

Ao conversar com outros empresários e advogados especializados em contratos de boxe sobre sua situação, Ratinho concluiu que só teria uma solução se conseguisse se livrar do vínculo com a DKP. Do contrário, ninguém aceitaria gerenciar sua carreira tendo um contrato em vigência. E para isso, ou teria que “comprar” o próprio contrato, a um custo de US$ 150 mil em média, ou precisaria levar o caso para a Justiça americana. O processo poderia ser longo e o brasileiro não teria como arcar com as despesas dos advogados.

Até que na última sexta-feira (15), antes de apelar para o caminho jurídico, o lutador brasileiro mais uma vez tentou uma conversa com Don King. Deu sorte ao encontrá-lo no escritório e o empresário, admitindo problemas financeiros na empresa, concordou em abrir mão do contrato com Ratinho em troca da dívida. Para ele, foi a melhor solução.

Leia ainda: Após terceira troca de adversário, brasileiro perde em retorno aos ringues

"Nesses três anos foi um prazer ter trabalhado com o maior promotor da historia do boxe. Ganhei e perdi, tive bons momentos e maus momentos, mas hoje, com a grande experiência que adquiri, vou seguir em frente à procura de um novo time para trabalhar", diz o boxeador brasileiro.

O futuro, ainda incerto, pode levar Marcus Oliveira a trocar a Flórida pela Costa Oeste dos Estados Unidos. “Vamos estudar tudo com muita calma, pois existem muitos empresários de caráter duvidoso e não queremos errar novamente”, diz Juliana. A assessora e esposa do lutador diz que ele analisa propostas de três empresas promotoras de boxe e pode se mudar para Los Angeles ou Las Vegas, cidades onde, segunda ela, Ratinho terá mais opções para encontrar bons lutadores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.