Mais Esportes

enhanced by Google
 

Tribunal absolve Simone Alves e confederação promete recorrer

STJD manteve decisão que absolve a corredora em caso de doping, mas a CBAt pretende levar o caso até à CAS

iG São Paulo | 28/02/2012 12:51

Texto:

Foto: Gazeta Press Ampliar

Simone Alves comemora a quebra de recorde dos 10.000 m no Troféu Brasil de 2011

A fundista Simone Alves teve confirmada nesta segunda-feira, após julgamento do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), sua absolvição no caso de doping ocorrido em agosto de 2011. A decisão dos integrantes do STJD foi de quatro votos a dois em favor da atleta. Inconformada com a decisão, a CBAt já anunciou que irá recorrer da decisão à Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) e, se for o caso, até à CAS (Corte Arbitral de Esporte).

Deixe seu recado e divulgue a notícia com outros torcedores

Em agosto de 2011, após quebrar o recorde sul-americano dos 10.000 m durante o Troféu Brasil, em São Paulo, que já durava desde 1993, Simone Alves teve positivo o seu exame antidoping para a substância EPO (Eritropoetina Recombinante), sendo suspensa provisoriamente pela entidade. Em janeiro deste ano, a CND (Comissão Disciplinar Nacional) da CBAt julgou o caso e decidiu não suspender Simone Alves, após entender que houve irregularidade na coleta da atleta.

Veja também: Brasileira garante vaga na maratona das Olimpíadas

A defesa da atleta afirma que a amostra B de urina estava com o número de identificação errado e que ela chegou a deixar a sala do antidoping carregando a amostra, deixando o pote no chão para dar uma entrevista ao canal Sportv. Simone alega que a fiscal do antidoping a autorizou a sair da sala e acabou deixando o pote de urina próximo a uma grade. A defesa da fundista alega que pode ter ocorrido algum tipo de contaminação.

Blog Espírito Olímpico: Caso Simone Alves põe controle antidoping do Brasil na berlinda outra vez

A CBAt não entende desta forma, lembrando que a atleta é a responsável pela sua amostra e questiona o motivo de não ter relatado a irregularidade no dia do exame. Além disso, a entidade diz que a substância EPO encontrada no exame é injetável e que não teria como haver uma contaminação direta na urina.

Por conta da suspensão prévia por doping, Simone Alves foi cortada da equipe brasileira que disputou os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara e acabou sendo desligada da equipe BM&F de atletismo.

Texto:

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG

Ver de novo