Tamanho do texto

Campeão do salto em distância na edição de 2012, brasileiro perdeu alguns treinos nos últimos meses por causa de lesões

Duda conquistou o ouro no salto em distância do Mundial Indoor de Atletismo em 2012
AP
Duda conquistou o ouro no salto em distância do Mundial Indoor de Atletismo em 2012

O último Mundial Indoor de Atletismo de 2012 consagrou Mauro Vinícius da Silva, o Duda. O brasileiro ficou com a medalha de ouro no salto em distância em Instambul (Turquia), graças à marca de 8,23m que alcançou na final. Neste fim de semana, em Sopot (Polônia), o atleta de 27 anos defende o título conquistado na última edição. Mas não poderá fazer isso da maneira que mais gostaria.

"Queria chegar melhor", disse ao Duda ao iG, lamentando as lesões no tendão de Aquiles e no joelho direito que o afetaram nos últimos meses e que o fizeram perder alguns treinos. "A motivação e alguns outros fatores na hora podem ajudar no salto. Em uma final, tudo pode acontecer. Foi assim em Instambul. Mas gostaria de poder chegar melhor fisicamente. Só que eu não estou mal, também. Estou em evolução. Minha meta é atingir 8,20m."

As lesões atrapalharam também os planos de superar o melhor salto da carreira, que é de 8,31m e foi registrado em junho de 2013, no Troféu Brasil. "Como não chego tão bem preparado (ao Mundial Indoor) por causa das lesões, pretendo melhorar essa marca mais para o fim do ano, quando terei mais tempo para melhorar e me recuperar. O objetivo é superar esse salto o mais rápido possível", disse Duda.

Antes de chegar a Sopot, o brasileiro se preparou na Europa em duas competições. Ficou em quarto lugar em Birmingham (Inglaterra) e em primeiro em Pombal (Portugal). Não passou dos oito metros em nenhuma das competições. Os melhores saltos foram 7,89m e 7,98m, respectivamente.

Duda saltou 8,31m no Troféu Brasil em 2013, melhor marca da carreira
Osvaldo F./Contrapé
Duda saltou 8,31m no Troféu Brasil em 2013, melhor marca da carreira

Os 8,20m que traçou como meta para o Mundial Indoor colocariam Duda mais próximo dos resultados que registrou em 2013. Além do melhor índice da carreira, ele teve outros oito saltos que terminaram o ano entre os dez melhores do continente, desempenho que o colocou em sexto no ranking mundial.

Mais até do que a urgência em estabelecer uma nova melhor marca pessoal, Duda cobra de si mesmo a capacidade de conseguir mais saltos próximos àquele. "Não adianta fazer 8,31m em uma prova e 7,90m em outra. Eu preciso ter regularidade porque é isso que traz medalha. A marca de 8,31m renderia o ouro em Londres e a prata em Pequim. É muito boa. Mas preciso fazer isso mais vezes para estar no topo", refletiu.

Para ser o melhor, Duda sabe quem deve desbancar. Ao falar sobre a necessidade de ser mais regular, ele citou o russo Aleksandr Menkov, campeão mundial no último ano com um salto de 8,56m. A marca impressiona por ser 25cm maior do que os 8,31m que deram ao britânico Greg Rutherford a medalha de ouro nas Olimpíadas de Londres e que representam o melhor desempenho do brasileiro.

"Se ele mantiver isso aí direto, vai se tornar um competidor quase imbatível", admitiu Duda.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.