Tamanho do texto

Fundista brasileiro confirmou sua participação na tradicional prova, tentando repetir as vitórias obtidas em 2006 e 2008

O fundista brasileiro Marílson Gomes dos Santos confirmou nesta terça-feira que irá tentar o tricampeonato da Maratona de Nova York, marcada para o próximo dia 4 de novembro. Será a terceira prova de 42,195 km do brasileiro, que já conquistou a competição em 2006 e 2008.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"O objetivo é ganhar, dar o melhor de mim em Nova York. Sou um corredor que sempre quer o pódio", avisou Marílson, melhor brasileiro do atletismo nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 , onde ficou com o quinto lugar na prova de maratona.

"A maratona olímpica foi muito dura. Queria ver antes como eu reagiria na volta aos treinos e estou me sentindo muito bem", disse o fundista para justificar a demora em aceitar o convite da organização do evento de Nova York. "Tive uma pequena lesão antes dos Jogos, que atrapalhou minha preparação. Treinei menos e isso acabou ajudando na minha recuperação depois de Londres, porque não estava tão desgastado", completou.

Marilson Gomes ficou em quinto lugar na maratona dos Jogos Olímpicos de Londres 2012
Divulgação/COB
Marilson Gomes ficou em quinto lugar na maratona dos Jogos Olímpicos de Londres 2012

Veja também: Maurren Maggi retoma treinos e não descarta Rio 2016

Técnico de Marílson, Adauto Domingues também está confiante em um bom resultado em novembro. "A maratona em Nova York é um pouco diferente, depende muito do clima, do frio, e os adversários sempre são fortíssimos. Mas estamos otimistas. Claro que o primeiro objetivo é ganhar a prova. A estratégia é acompanhar o grupo da frente e, durante a prova, ver o que acontece, avaliar as condições, como ele se sente. Foi assim que o Marílson ganhou das outras vezes", analisou.

Acompanhe o blog Espírito Olímpico

O fundista também usa seu retrospecto como estímulo, apesar de destacar a força dos competidores africanos. "Enfrentar os africanos é sempre difícil, principalmente lá. Nem dá para falar em favorito. Tem africano que nem é considerado favorito e acaba surpreendendo. Mas tenho a vantagem de me adaptar bem ao percurso. Apesar de não ser fácil, com subidas e descidas, tenho me dado bem em Nova York", finalizou.

* Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.