Tamanho do texto

Ederson Pereira, ouro no Pan de Lima, e Daniel Silva, qualificado para Tóquio 2020, estarão disputa do dia 31

Ederson Pereira, campeão da Volta Internacional da Pampulha e ouro nos 10 mil nos Jogos Pan-Americanos de Lima arrow-options
Wagner Carmo/CBAt
Ederson Pereira, campeão da Volta Internacional da Pampulha e ouro nos 10 mil nos Jogos Pan-Americanos de Lima

A expectativa é de elevado nível técnico na 95ª Corrida Internacional de São Silvestre, que acontece no dia 31 de dezembo, fechando o ano e o calendário esportivo do Brasil. Isso por conta das inúmeras estrelas do atletismo que percorrerão os 15 quilômetros da cidade de São Paulo.

Leia também: Corrida de São Silvestre 2019: entenda a divisão dos setores da largada

Entre elas estarão alguns dos principais corredores de rua do Brasil, todos qualificados no ranking da IAAF (Federação Internacional de Atletismo), que brigarão para recolocar o país entre os primeiros colocados. As últimas conquistas nacionais na Corrida de São Silvestre aconteceram em 2010, com Marilson Gomes do Santos, e em 2006, com Lucélia Peres.

Os brasileiros inscritos estão na categoria Bronze da IAAF e, correndo em casa e com apoio da torcida, podem almejar um lugar no pódio.

Tatiele de Carvalho no Sul-Americano arrow-options
Wagner Carmo/CBAt
Tatiele de Carvalho no Sul-Americano

Os destaques são Daniel Chaves da Silva, top 15 na Maratona de Londres deste ano, garantindo a qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020; Wellington Bezerra, 18º na Maratona de Hamburgo (19) e vice da Maratona Internacional de São Paulo em 2018; e Ederson Pereira, campeão da Volta Internacional da Pampulha, ouro nos 10 mil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, ambos neste ano, e quinto na Meia de Buenos Aires do ano passado.

No feminino, duas corredoras brasileiras estão entre as atrações da Elite, Valdilene Silva e Tatiele de Carvalho. Valdilene foi 15ª colocada na Maratona de Frankfurt no ano passado, enquanto Tatiele foi quarta na Dez Milhas Garoto (18) e 5ª na Meia de Buenos Aires (18). Ela possui cinco títulos do Troféu Brasil.

Os gringos

Belahy Bezabh já venceu a São Silvestre arrow-options
Divulgação
Belahy Bezabh já venceu a São Silvestre do ano passado

O evento em São Paulo reunirá alguns dos melhores nomes das disputas de rua do mundo. A prova tem tudo para ser uma das mais equilibradas e fortes dos últimos anos. E, se depender dos destaques confirmados, essa condição pode ser ratificada e empolgar a torcida ao longo do trajeto.

Os quenianos Brigid Kosgei, recordista mundial da maratona, Edwin Rotich, bicampeão da São Silvestre (2012 e 2013), Pauline Kamulu, bronze no mundial de meia maratona em 2019, Sheila Chelangat, vencedora de quatro provas de 10k na temporada, e Titus Ekiru, campeão da Maratona de Milão (19), e o etíope naturalizado pelo Bahrein, Dawit Admassu, bicampeão da São Silvestre (2014 e 2017), estão confirmados.

Uma das estrelas do evento, qualificada como a atleta Platinum e recordista mundial da maratona, Brigid fará sua estreia na São Silvestre. "Será minha primeira vez aqui e estou bastante feliz com isso. A umidade está elevada, mas espero fazer uma boa prova, sem me preocupar com um lugar no pódio", destacou a atleta.

Dawit, por sua vez, repetiu a simpatia de sempre e disse estar feliz por mais uma participação no Brasil. "Estou pronto e espero que isso seja o suficiente para ter um bom desempenho. Tenho um carinho por esta corrida, que sempre me recebeu bem. Tive um bom ano e quero terminar da melhor forma", declarou o atleta, qualificado como Prata.

Outro bicampeão em São Paulo, Rotich vai pela mesma linha. “Conheço bem esta prova e sei de suas dificuldades, que aumentam com a alta umidade. Essa experiência é muito importante e poderá me ajudar no dia 31. Estou animado e darei o máximo para terminar bem”, disse o queniano, da categoria Bronze.

Há mais destaques Bronze da Federação Internacional de Atletismo no masculino. São eles o equatoriano Byron Piedra, finalista nos 10 mil dos Jogos Pan-Americanos de Lima e 7º na Meia Maratona de Nova York-2016; Joseph Panga, da Tanzânia, 4º colocado na 10 k de Boston 2019 e 10º na 94ª São Silvestre, o colombiano José Gonzales, vencedor da Girardot 15k-2017 e 4º na Boston 10K-2019.

O feminino latino-americano também estará bem representando, com as argentinas Daiana Orcampo (Silver), campeã da Maratona de Buenos Aires e da Meia Maratona de Assunção, ambas em 2019, e Marcela Cordeiro (Bronze), vice em Buenos Aires-2019; além da mexicana Risper Gesabwa (Bronze), prata nos 10K no Pan de Lima, campeã da Des Moines Half Marathon-2014 e top-ten na Frankfurt Marathon-2015.

Horários

A programação no dia 31 começará às 7h25min, com a largada da categoria Cadeirantes. Em seguida, às 7h40min, será a vez da Elite feminina, ficando para as 8h05min a Elite masculina, Pelotão C, Cadeirantes com Guia e Pelotão Geral.

O evento

A infraestrutura do evento é dimensionada para o número oficial de inscritos, até 35 mil, não contemplando serviços a atletas sem inscrição ("pipocas"). Como consta em regulamento, não haverá serviços extras e hidratação excedente para atletas sem inscrição. Pipocas não serão bem-vindos, uma vez que consomem serviços de atletas oficialmente inscritos, colocando a segurança e saúde dos mesmo em risco.