Darlan Romani pensa em medalhas no Pan e nas Olimpíadas no arremesso de peso
Wagner Carmo/CBAt
Darlan Romani pensa em medalhas no Pan e nas Olimpíadas no arremesso de peso

Líder do ranking mundial da IAAF em 2019 e recordista sul-americano de arremesso de peso, o brasileiro Darlan Romani é uma das promessas para os Jogos Pan-americanos, que serão disputados em julho no Peru, e para as Olimpíadas de Tóquio 2020.

Leia também:  Roger Federer vence ATP de Dubai e conquista 100º título na carreira; veja

Aos 27 anos, Darlan tem metas bem definidas para a temporada de 2019: competir bem nos eventos internacionais e lutar por uma “medalhinha” no arremesso de peso nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em agosto, e no Mundial de Doha, no final de setembro e início de outubro. “Competir bem é meu objetivo. A gente quer uma medalhinha”, afirma.

Catarinense de Concórdia, nascido no dia 4 de abril de 1991, Darlan não precisa se preocupar com números nos últimos meses. Afinal, ele terminou 2018 em quinto lugar no Ranking Mundial, com 22 m, entrando de vez no grupo dos maiores arremessadores da história. Além de ter venceu a Copa Intercontinental da IAAF, disputada em Ostrava, na República Tcheca, quando integrou a equipe das Américas.

“A boa campanha do ano passado só aumenta a minha responsabilidade. Para me manter e melhorar meu nível internacional tenho de arremessar sempre acima dos 21 m e espero isso nas etapas da Liga Diamante, no Pan e no Mundial”, disse Darlan, em entrevista dada no Centro Nacional de Desenvolvimento de Atletismo (CNDA), da Confederação Brasileira de Atletismo , em Bragança Paulista (SP), cidade onde mora e treina.

A marca de 21,83 m, alcançada no último sábado (23), no Torneio Pinheiros/CBAt, em São Paulo, é melhor que todos os resultados obtidos pelo atleta até 2018. O bom desempenho também marcou a sua melhor estreia numa temporada.

Leia também:  Para celebrar o mês da mulher, Corinthians lança programa 'Respeita As Mina'

Darlan é a maior chance de medalhas do Brasil no arremesso de peso
Wagner Carmo/CBAt
Darlan é a maior chance de medalhas do Brasil no arremesso de peso

Desde 2010, quando deixou a casa dos pais e mudou-se para Uberlândia (MG), aos 18 anos, ele é orientado pelo especialista cubano Justo Navarro. Desde então, a evolução tem sido constante, com exceção de 2013, quando sofreu com uma lesão.

Ele saiu de 17,19 m em 2010 para 22 m em 2018. “Os treinos são cumulativos e vou ganhando mais força a cada ano”, disse o atleta do Pinheiros, que chega a fazer mais de 60 arremessos numa sessão de preparação técnica e levanta mais de 200 kg nos exercícios de musculação.

“Estamos no caminho certo e sigo todas as recomendações do Prof”, como  Darlan Romani  chama o treinador Justo Navarro. “Os sonhos só vão aumentando.”

O atleta reconhece a importância que Justo Navarro tem para a prova de arremesso do peso. Acredita que outros atletas podem chegar ao nível internacional. “William Dourado e o Welington Morais, por exemplo, têm potencial e só precisam de mais suporte para crescer”, comentou.

Leia também:  Estudo aponta CR7 'imune' de pressão nos jogos e Neymar muito afetado

Todos os treinos técnicos e físicos do atleta do arremesso de peso são realizados na excelente estrutura do CNDA, que é mantido por um Programa específico patrocinado pela Caixa Econômica Federal.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários