Tamanho do texto

Entidade mundial responsável pelos esportes olímpicos vai voltar a oferecer subsídios à entidade brasileira, que havia sido suspensa em outubro de 2017

Carlos Arthur Nuzman foi reeleito presidente do Comitê Olímpico Brasileiro e renunciou o cargo em outubro de 2017
COB/Divulgação
Carlos Arthur Nuzman foi reeleito presidente do Comitê Olímpico Brasileiro e renunciou o cargo em outubro de 2017

O Comitê Olímpico Internacional ( COI ) anunciou neste último sábado (3), em PyeongChang, na Coreia do Sul, o fim da suspensão do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que estava em vigor desde outubro de 2017. Sem a pena, a entidade nacional vai voltar a receber subsídios financeiros da entidade mundial.

LEIA TAMBÉM: Confira 10 curiosidades sobre os Jogos Olímpicos de Inverno da Coreia do Sul

A notícia foi muito comemorada por Paulo Wanderley, presidente da entidade que rege os esportes olímpicos brasileiro. "Estamos muito felizes com a decisão do COI. É um reconhecimento ao trabalho e ao esforço que o Comitê Olímpico do Brasil vem fazendo ao longo dos últimos três meses", disse.

Segundo a auditoria contratada pelo COI, os atuais dirigentes brasileiros não se envolveram nos casos de corrupção e nem mesmo estão envolvidos na acusação de compra de votos do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016. Além disso, nenhuma infração foi encontrada nas contas da entidade.

LEIA TAMBÉM: Carlos Arthur Nuzman renuncia à presidência do Comitê Olímpico Brasileiro

A suspensão vigorava desde o mês de outubro de 2017, quando o até então presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, renunciou ao cargo e foi preso, acusado de participar do esquema de compras de votos para que o Rio de Janeiro sediasse as Olimpíadas de 2016.

Apesar das sanções terem sido reduzidas pelo COI, a entidade congelou cerca de R$ 7 milhões que o comitê brasileiro deveria receber. A expectativa, agora, é que a entidade brasileira receba os R$ 7 milhões congelados de 2017, e cerca de R$ 10 milhões até o fim de 2018. 

LEIA TAMBÉM: Rússia é parcialmente liberada para disputar Jogos de Inverno na Coreia do Sul

Caso de Nuzman

O agora ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman , foi denunciado, pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ), juntamente com o ex-diretor de operações e marketing do COB, Leonardo Gryner, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, e o empresário Arthur Soares, conhecido como 'rei Arthur', por corrupção passiva no caso de compra de votos para a eleição do Rio como sede dos Jogos de 2016.

O ex-mandatário do Comitê Olímpico Brasileiro ainda é acusado de "dissimular a propriedade e a origem de 16 quilos de ouro, no valor de R$ 1.495.437,63, mantidos em cofre na Suíça". O MPF pede, fora a condenação pelos crimes, uma reparação por danos materiais no valor de R$ 6,34 milhões e de danos morais no valor de R$ 1 bilhão.