Tamanho do texto

Atuais campeões da NBA e da NFL chegam invictos ao feriado de Ação de Graças nos EUA. O iG compara as equipes

Stephen Curry x Tom Brady
Getty Images
Stephen Curry x Tom Brady


A expectativa não chega ao nível de um país todo que aguardou o resultado de uma Mega Sena de R$ 200 milhões nesta quarta-feira, é verdade. Mas, nos Estados Unidos, é certo que o tema já domina mesas de bar, reuniões da firma e, claro, os fóruns online, redes sociais e noticiário: quem será que vai perder primeiro entre Golden State Warriors e New England Patriots.

Atuais campeões, respectivamente, da NBA e da NFL, as equipes não perderam o embalo da temporada passada. Pelo contrário, parecem estar jogando num nível ainda superior na atual campanha. Ambas chegaram invictas ao feriado de Ação de Graças, nesta quinta-feira, e estão dispostas a fazer história.

Pensando nisso, vamos tentar entender o que está por trás desse sucesso e até onde eles podem chegar:

A campanha
- Warriors : Ao atropelar o Los Angeles Lakers na terça-feira, o Golden State assegurou o melhor início de temporada regular da história da NBA, com 16 vitórias seguidas, superando os 15 triunfos consecutivos do Washington Capitols em 1948 e do Houston Rockets em 1993. Isso, por si só, já impressiona. Isso é demais. Mas o nível de dominância que os Warriors mostram até o momento vai além. Não é apenas que o time do Oakland esteja vencendo. Na verdade, eles estão arrasando os adversários, com um saldo de 15,6 pontos por jogo, com o ataque mais eficiente e a terceira melhor defesa. Sai da frente.

Em termos de aproveitamento, o San Antonio Spurs é o clube que está mais próximo na classificação geral da temporada e da Conferência Oeste, com 80% (e três derrotas em 15 jogos), com 8,9 de saldo. Vice-campeão no ano passado, o Cleveland Cavaliers lidera o Leste com 11 triunfos e 4 reveses (73,3%), com 6,9 de saldo.

Para se ter uma ideia, os Warriors já somam mais minutos (167) com uma vantagem superior a 15 pontos do que atrás estiveram atrás no placar (149). É um começo avassalador para um clube que já havia somado 67 vitórias na temporada passada e chegado ao título. Muitos poderiam imaginar que eles entrariam mais relaxados nessa temporada. Em geral, é o que acontece quando você atinge seus objetivos. Mas esses caras foram para a quadra ainda mais sedento, incomodado com as observações de muitos críticos e concorrentes de que havia tido “sorte” no campeonato passado, devido às poucas lesões que enfrentaram.  

Tom Brady e Bill Belichick, juntos desde 2000 pelo Patriots
Christian Petersen/Getty Images
Tom Brady e Bill Belichick, juntos desde 2000 pelo Patriots


- Patriots: são dez vitórias em dez rodadas para os patriotas da Nova Inglaterra, valendo a liderança da AFC. Foram seis vitórias em casa e quatro como visitante, construindo um saldo de pontos de 141, o que dá 14,1 por jogo, ou dois touchdowns mais os respectivos pontos de bonificação de vantagem.

O time tem a melhor defesa da NFL até o momento, tendo levado 182 pontos no total, ainda que o Denver Broncos, com 183, e o Minnesota Vikings, com 184, os sigam de perto. Do outro lado, eles sustentam o segundo melhor ataque da liga, com 323 pontos, ficando atrás apenas do Arizona Cardinals, que já marcou 336. Essas equipes são as únicas que passaram dos 300 pontos até o momento.

Como prova de seu poderio ofensivo, s Patriots (que são de Boston, mas mandam seus jogos na cidade periférica de Foxborough, estádio que, por sinal, já acolheu vários amistosos da seleção brasileira de futebol) já acumulam uma sequência de 37 quartos em que tenha conseguido marcar pelo menos um ponto, o que é um recorde.

O craque
- Warriors: Stephen Curry é o nome do momento na NBA. Atual MVP (jogador mais valioso), aquele que mais vende camisas, uma coqueluche. O armador encanta fãs mundo afora e aterroriza seus marcadores, que simplesmente não sabem o que fazer para contê-lo. A percepção geral da liga é a de que, quando ele cruza a linha central da quadra, já precisa ser vigiado de perto, tamanha a sua precisão nos arremessos (51,2% no geral e 43,1% de longa distância, mesmo bem marcado). O duro é conseguir pará-lo, mesmo, dada a sua habilidade com a bola e visão de jogo.

Com uma média de 32,1 pontos por jogo, Curry é o cestinha da temporada, e de longe – James Harden, astro dos Rockets, aparece em segundo da lista, com 28,7. Aos 27 anos, está melhor do que nunca, de modo que seu salário de US$ 11,3 milhões, por um contrato assinado em 2013, quando ainda se recuperava de seguidas lesões no tornozelo, é tido como uma das maiores barganhas da NBA. Para comparar, quatro atletas dos Warriros ganham hoje mais que ele: os alas Andre Iguodala, Klay Thompson e Draymond Green e o pivô Andrew Bogut.

- Patriots: Tom Brady, 38, também conhecido como Sr. Bündchen, é, há tempos, uma superestrela, estampando incontáveis capas de revista – incluindo as de fofoca. Já foi eleito três vezes o MVP do Super Bowl e ganhou o campeonato em quatro ocasiões (2001, 2003, 2004 e no ano passado). Em campo, é o quarterback com mais jardas completadas em lançamento nas dez primeiras rodadas da temporada, com 3.320, superando Philip Rivers, do San Diego Chargers, que tem 3.211. No aproveitamento, Brady aparece em sétimo, com 66,3% de seus passes completados, sendo arrojado. Desses passes, 25 já resultaram em touchdowns, ficando atrás apenas de Carson Palmer, dos Cardinals, com 27.

Sua imagem só foi arranhada recentemente, contudo, devido ao seu envolvimento em um escândalo da NFL pela suposta participação em um esquema dos Patriots, que estaria colocando em jogo bolas murchas – inclusive na final de conferência, segundo investigação da liga. Ele foi suspenso por quatro jogos pelo comissário Roger Godell, mas entrou com um recurso e acabou liberado para jogar quando o caso chegou uma corte federal. Ainda assim, o quarterback vai faturar US$ 13 milhões em salário nesta temporada, levando o total de sua carreira para US$ 160 milhões. Sem contar patrocínios.

Os amigos Kerr e Luke Walton
Getty Images
Os amigos Kerr e Luke Walton

O comandante
- Warriors: Steve Kerr, o treinador principal da equipe, está afastado das atividades diárias, ainda se recuperando de duas complicadas cirurgias que fez nas costas durante as férias. Em seu lugar, o assistente Luke Walton, de apenas 35 anos, vai fazendo um trabalho brilhante. Mas o interessante é que, oficialmente, todas as 16 vitórias acumuladas pelo ex-jogador dos Lakers contam no currículo de Kerr, devido uma regra da NBA particular a técnicos interinos. “É a coisa mais estúpida que eu já ouvi”, disse Kerr, a respeito. Do seu lado, Walton, humilde, afirma que é justo, que está apenas conduzindo o projeto idealizado por seu amigo. Fato é que o jovem treinador já se tornou um candidato a receber propostas de outros num futuro breve.

- Patriots: Bill Belichick, 63, é uma verdadeira instituição do esporte americano, que está com o New England desde 2000, coincidentemente o mesmo ano da chegada de Brady. Juntos, fizeram uma parceria que talvez só seja rivalizada pela de Gregg Popovich e Tim Duncan no San Antonio Spurs. É o técnico da NFL que está há mais tempo no cargo, e suas funções, na verdade, não se limitam à coordenação do time em campo – ele também é, na prática, o gerente geral do clube, responsável pela montagem do elenco. Tem 221 vitórias em temporada regular na carreira, sendo o quinto mais vitorioso da história, prestes a assumir o quarto lugar na lista. Quando o assunto é playoff, ninguém venceu mais que ele (são 22 triunfos).

Quase perdeu para.. .
- Warriors: talvez o único jogo em que o time californiano tenha realmente enfrentado dificuldade foi o duelo com o Los Angeles Clippers no dia 12 de novembro , em L.A. Na ocasião, seu arquirrival chegou a abrir uma vantagem de 23 pontos no primeiro tempo. Mas levou uma virada desconcertante diante de sua torcida, com os Warriors acertando quase tudo que atiravam em direção à cesta no quarto período, vencendo, no fim, por 124 a 117.

- Patriots: a décima rodada, mesmo, apresentou um duro teste ao time de Brady, contra o Buffalo Bills. Depois de um field goal no primeiro período, eles ficaram por 22 sem conseguir pontuar, até que o quarterback conseguiu uma corrida de 33 jardas para marcar um touchdown a apenas 13 segundos do final do primeiro tempo, para fazer 10 a 3 no placar. No segundo tempo, ainda num jogo bastante travado, os Patriots conseguiram proteger essa vantagem, vencendo por 20 a 13.

O que vem por aí
- Warriors: jogadores, treinadores e cartolas vão procurar despistar, mas é praticamente impossível que o time não sonhe com a maior sequência de vitórias da história da NBA – recorde que pertence aos Lakers, com 33 em 1971-72. Se for para contar os resultados da temporada regular passada, eles já somam 20 triunfos consecutivos. Será que dá? “Não tem jeito. Vai chegar o dia em que vamos perder”, diz Walton. “Eu duvido. Realmente duvido”, afirmou Curry, brincando, em resposta ao interino.

Míticos Bulls de 1996 entram em pauta. Podem os Warriors chegar às 72 vitórias?
Jonathan Daniel/Getty Images
Míticos Bulls de 1996 entram em pauta. Podem os Warriors chegar às 72 vitórias?

Mais: muitos já acreditam que é possível que os atuais campões ameacem a campanha histórica do Chicago Bulls de 1995-96, de 72 vitórias, a melhor da história. Pode parecer heresia, mas uma comparação estatística entre as equipes, levando em conta os primeiros 15 jogos de cada um, mostra que a tese não é tão absurda assim. Por exemplo, o saldo de pontos foi de 125 para os Bulls, contra 216 dos Warriors. Michael Jordan & Cia. Haviam perdido duas partidas nesse período também. Steve Kerr, que era jogador do Chicago, se diverte com as comparações. “Ficou ouvindo o pessoal falar disso, e penso: caramba, queria estar treinando meu time. Deveria estar lá na quadra. Quando alguém me pergunta a respeito, adoro! É realmente muito divertido”, afirmou

Os Warriors são hoje os grandes favoritos ao título, e de longe, mas a temporada regular da NBA é sabidamente longa. Restam mais 66 partidas até os playoffs, e muita coisa pode acontecer nesse período. Há uma preocupação também de que os jogadores possam gastar muita energia nessa marcha de vitórias e fique desgastado física e mentalmente para a hora que mais importa. Por outro lado, o clube tem um estafe de médicos e preparadores físicos considerado inovador, para gerenciar isso.

- Patriots : não é a primeira vez que o time tem a chance de terminar uma temporada regular perfeita. Isso já aconteceu em 2007, com 16 triunfos. Naquele ano, porém, Brady e Belichick sofreram uma derrota dolorosa contra New York Giants no Super Bowl. Agora eles esperam melhor sorte, claro. Só não há garantida de nada e nem uma tarefa fácil – tanto a manutenção da invencibilidade como, principalmente, a conquista do bicampeonato.

Até porque, no momento, os Patriots não são os únicos invictos até o momento – o Carolina Panthers também venceu suas dez primeiras partidas e vem numa fase melhor, ainda mais depois de ter detonado o Washington Redskins na última rodada (44 a 16). Os Panthers, além do mais, têm em teoria um caminho mais fácil rumo à grande decisão.

Ao contrário do cenário que vemos na NBA de hoje, com os Warriors soberanos, há outras ameaças a serem consideradas pelos Patriots: o Denver Broncos, justamente seu próximo adversário, mesmo com Peyton Manning nas últimas, o Arizona Cardinals, com um ataque revigorado, e o Cincinnati Bengals, com sua poderosa defesa.

    Leia tudo sobre: NBA
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.