Tamanho do texto

Britânico bi-campeão olímpico dos 1500 m concorre ao lado do ucraniano Serguei Bubka à presidência da Federação Internacional de Atletismo

O ex-atleta britânico Sebastian Coe, que nesta semana concorre com o ucraniano Serguei Bubka pela presidência da Federação Internacional de Atletismo (IAAF), promoteu nesta segunda-feira mais financiamento às federações nacionais e profundas reformas neste esporte para recuperar sua imagem.

O britânico Sebastian Coe, bi-campeão olímpico dos 1500 m, é candidato à presidência da Federação Internacional de Atletismo
Getty Images
O britânico Sebastian Coe, bi-campeão olímpico dos 1500 m, é candidato à presidência da Federação Internacional de Atletismo

O antigo meio fundista, bicampeão olímpico nos 1,5 mil metros de Moscou 80 e Los Angeles 84, confirmou seus planos de aumentar até os US$ 200 mil (o dobro da quantidade atual) os fundos que o Comitê Olímpico Internacional fornece a cada uma das 214 federações nacionais de atletismo para um período de 4 anos.

O ex-atleta também anunciou sua intenção de estabelecer um novo calendário para as competições internacionais de atletismo, "mais harmonizado", assim como uma melhora das comunicações entre a IAAF e as federações nacionais.

Perante o doping, poucos dias depois que a televisão alemã "ARD" e o jornal britânico "Sunday Times" sacudirem o mundo do atletismo com reportagens que revelavam novos escândalos, Coe promete dar passos para uma agência antidoping independente.

"Após muitos meses de viagens e consultas com as federações, acredito mais do que nunca que trabalhando juntos com um espírito de inovação e compromisso podemos criar uma nova e excitante era dourada no atletismo", destacou Coe através de um comunicado publicado por sua candidatura.

Os representantes das federações elegem em 19 de agosto, no Congresso da IAAF de Pequim, o sucessor do senegalês Lamine Diack à frente do organismo internacional.

É a primeira vez em muito tempo que a estas eleições há mais de um candidato, e o fato de que os dois concorrentes -atualmente vice-presidentes da IAAF- sejam antigas estrelas esportivas com ampla experiência dá especial interesse à votação, na qual a priori não há um claro favorito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.