Tamanho do texto

Eventos badalados, como as finais do futebol e vôlei masculino, tiveram aumento em relação aos Jogos de Londres, mas no geral, será mais barato acompanhar o mega-evento no Rio

A tabela de preços dos ingressos para os Jogos Olímpicos do Rio 2016, anunciada nesta terça-feira, pode em um primeiro momento assustar por alguns valores. Afinal, para um torcedor assistir a cerimônia de abertura no setor mais caro do Maracanã, no dia 5 de agosto de 2016, precisará desembolsar R$ 4.600,00. Ou se desejar acompanhar a decisão da medalha de ouro do vôlei masculino, precisará pagar R$ 1.200,00. Mas o fato é que de modo geral, será mais em conta acompanhar as próximas Olimpíadas do que foi em Londres 2012.

O Maracanã, palco da final da Copa do Mundo 2014, receberá a cerimonia de abertura das Olimpíadas de 2016
Buda Mendes/Getty Images
O Maracanã, palco da final da Copa do Mundo 2014, receberá a cerimonia de abertura das Olimpíadas de 2016


Acompanhe a preparação para os Jogos Olímpicos de 2016 no blog Espírito Olímpico

O iG Esporte comparou os preços de alguns dos eventos mais balados do programa olímpíco do Rio 2016 e de Londres 2012 e pôde notar que houve sim uma queda proporcional de preços em reais, tomando por base o valor da época em que os preços das Olimpíadas britânicas foram anunciados, em março de 2011, em relação aos preços que o comitê do Rio 2016 divulgou nesta terça. Registre-se que a inflação do período (IPCA) foi de 22,18%.

A cerimônia de abertura, citada no primeiro parágrafo deste texto, tem o seu ingresso mais caro (R$ 4.600,00) com um preço 18,5% menor do que foi cobrado em Londres (R$ 5.404,23, em valores da época). Se a inflação do período fosse aplicada no preço final deste mesmo bilhete nos Jogos de 2016, ele teria que custar R$ 5.426,41.

Leia também: Para evitar crise de ingressos, Rio de Janeiro prepara esquema de guerra em 2016

Em compensação, houve um aumento de 270% no preço do ingresso mais barato da cerimônia de abertura. Enquanto em Londres 2012 este tíquete saiu por R$ 54,04, no Rio 2016 ele custará R$ 200,00. Também apresentam aumento de preço os ingressos mais caros de duas modalidades consideradas vips para o torcedor brasileiro: as finais do futebol e do vôlei masculino.

Os R$ 900,00 necessários para adquirir o bilhete mais caro no Maracanã para ver a disputa da medalha de ouro do futebol será 81% mais caro que que foi cobrado para a disputa entre Brasil x México no estádio de Wembley, em 2012 (que foi de R$ 496,91, em valores da época). Na final do vôlei masculino, o aumento foi de 141,5%, com o ingresso mais caro de 2016 custando R$ 1.200,00, contra R$ 496,91 em 2012.

Veja também: Comitê do Jogos de 2016 divulga os preços dos ingressos para as Olimpíadas

Torcedores encaram fila para retirada de ingressos durante os Jogos Olímpicos de Londres
Getty Images/Jeff J Mitchell
Torcedores encaram fila para retirada de ingressos durante os Jogos Olímpicos de Londres


Bolt mais barato

Será possível ao torcedor, contudo, ver um possível tricampeonato olímpico do jamaicano Usain Bolt nos 100 m rasos do atletismo, considerada a prova nobre das Olimpíadas, 40% mais em conta do que foi cobrado em Londres. Nos Jogos do Rio 2016, será possível adquirir o melhor lugar no Estádio do Engenhão por R$ 1.200,00, contra R$ 1.946,91 há dois anos no Estádio Olímpico de Strattford.

Também será mais barato acompanhar as finais por aparelho na ginástica artística feminina (evento considerado "top" no programa olímpico" no Rio de Janeiro: os R$ 900,00 que serão cobrados pelo bilhete mais caro representarão uma economia de 25,5% em relação a Londres 2012.

A decisão do ouro no vôlei de praia (masculino e feminino) sairá por R$ 1.200,00 em seus lugares mais caros, o que representa uma queda de apenas 0,8% em relação a 2012 (R$ 1.208,70). A decisão da medalha de ouro do basquete masculino (que pode ter o fortíssimo time dos EUA e seus astros da NBA) teve um pequeno aumento para os Jogos de 2016: R$ 1.200,00 contra R$ 1.141,55 (5% a mais do que foi cobrado nas Olimpíadas de Londres na decisão entre os mesmos EUA e Espanha).

* Colaborou Paula Pacheco, editora-executiva de Economia do iG

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.