iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Mais Esportes

28/12 - 00:13

Palhaços corredores animam crianças na São Silvestrinha

"A criança, mais do que o adulto, precisa de incentivo. A gente procura apoiar, especialmente as que estão em último", disse o palhaço Tuti, que trabalha como vendedor de rua

Gazeta Esportiva

Os únicos 'competidores' com mais de 15 anos autorizados a participar da São Silvestrinha foram os palhaços Alegria e Tuti. Além de entreter a criançada antes do evento, realizado no Centro Olímpico nesta segunda-feira, eles entraram na pista e animaram os meninos e meninas durante as provas.

"A criança, mais do que o adulto, precisa de incentivo. A gente procura apoiar, especialmente as que estão em último. Se eles caem, não podemos ajudar, mas ficamos por ali, dando força e incentivando para que elas se levantem", explica Alexandro de Souza Rocha, 37 anos, mais conhecido como Tuti, que trabalha como vendedor de rua.

A irreverente dupla de palhaços é contratada pela organização da São Silvestrinha. Mais do que incentivar os atletas e torcedores nas arquibancadas, Alegria e Tuti ganharam uma missão nobre na 17ª edição da prova: correr ao lado de alguns atletas com defiencia física e mental.

"É uma troca muito linda. Para nós, é motivo de orgulho estar aqui todos os anos. Dando alegria e fazendo esse trabalho motivacional, a gente fica muito feliz, porque nosso foco sempre foi a criança. Além de fazer palhaçada, quem sabe não contribuimos com o surgimento de um novo atleta?", sonha Clemente Medeiros, o Alegria, que tem 50 anos e trabalha como auxiliar administrativo de um colégio.

Tuti e Alegria costumam disputar corridas regularmente desde 2004. Depois de participar da São Silvestrinha para entreter o público, a dupla já pensa na São Silvestre, que será realizada na próxima sexta-feira. Ambos estão inscritos regularmente, mas correrão fantasiados e prometem divertir os companheiros.

"Vamos participar dos 15 quilômetros, fazendo palhaçada do começo ao fim!", avisou Alegria. Já Tuti, vendedor de rua há 10 anos, usa o trabalho como treino. "Fico o dia inteiro pra cima e pra baixo. Na hora de correr, a gente vira gigante e chama toda força que pode para terminar o ano correndo", disse, apesar da barriga saliente.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias