iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Mais Esportes

12/02 - 17:25

Judocas esquecem carnaval e disputam duas Copas do Mundo
Na Hungria compete a equipe feminina, enquanto os homens lutam na Áustria

Gazeta Esportiva

Enquanto o país cai na folia, o judô brasileiro entra em ação a partir deste sábado (13) nas Copas do Mundo de Budapeste (HUN) e Viena (AUT). Na Hungria compete a equipe feminina, enquanto os homens lutam na Áustria. As etapas contam pontos para o ranking mundial, com o ouro valendo 100 pontos (prata 60 e bronze 40).

No último fim de semana, o Brasil conquistou duas medalhas no Circuito Mundial da Federação Internacional de Judô (FIJ) - ouro com Leandro Guilheiro e bronze com Tiago Camilo, ambas no Grand Slam de Paris.

Competem na Copa do Mundo de Budapeste Daniela Polzin (-48kg), Sarah Menezes (-48kg), Andressa Fernandes (-52kg), Ketleyn Quadros (-57kg), Mariana Silva (-63kg), Mayra Aguiar (-78kg) e Maria Suellen Altman (+78kg). Em Viena lutam Breno Alves (-60kg), Ricardo Ayres (-60kg), Alex Pombo (-66kg), Marcelo Contini (-73kg), Leandro Guilheiro (-81kg), Nacif Elias (-81kg), Tiago Camilo (-90kg), Luciano Correa (-100kg) e Walter Santos (+100kg).

A ausência na equipe é Erika Miranda (-52kg). A atleta sofreu uma lesão no joelho durante os treinamentos e está retornando para o Brasil para tratamento. Para a técnica da seleção femininia, Rosicléia Campos, o treinamento de campo realizado após a disputa do Grand Slam de Paris pode levar o país a um resultado positivo neste fim de semana.

"Eu vejo como fundamental estes períodos de treinamento na Europa, principalmente antes de competições importantes. A equipe feminina está muito animada, pois passaram por um período de treinamento forte, onde fizeram lutas simuladas que pareciam uma competição. Com isso há uma adaptação e a melhora no ritmo de luta, o que faz elas chegarem mais preparadas para esta Copa do Mundo", analisou a técnica.

A comandante deu mais detalhes da preparação para os torneios na Europa. "Durante os treinos elas tiveram a possibilidade de analisar as adversárias, muitas delas entre as 14 mais bem colocadas no ranking. Isso possibilita adequar as técnicas e táticas para cada uma dessas atletas", explicou Rosicléia.

O coordenador técnico internacional da Confederação Brasileira de Judô, Ney Wilson, concorda com a treinadora. "Esse grupo está realmente trabalhando duro no dojô. Estes treinos valem muito, principalmente para os novatos, que com certeza vão crescer para as Copas do Mundo de Viena e Budapeste", contou Ney.

Leia mais sobre: Judô

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias