Tamanho do texto

Brasileiro vem de cinco vitórias consecutivas no UFC e ocupa a terceira posição no ranking dos meio-médios; neste sábado, enfrenta Jorge Masvidal

Quase nove meses depois da última luta, Demiam Maia voltará ao octógono do UFC, neste sábado, para encarar Jorge Masvidal, no card principal da edição do Ultimate número 211, em Dallas, no Texas. Ele vem de seis vitórias consecutivas e muitos, inclusive um ex-campeão, dizem que ele merece disputar o cinturão dos meio-médios.

Leia também: Saiba tudo sobre Luta no iG Esporte

Mas não será desta vez. Sem fazer uma luta desde agosto do ano passado, o paulista está em preparação desde o início deste ano, quando começou os treinos de olho em um possível chamado de última hora no UFC 209, que aconteceu em 4 de março, caso o campeão, Tyron Woodley, ou o desafiante, Stephen Thompson, se lesionassem. Não foi necessário substituir ninguém e então Demian foi confirmado para enfrentar Masvidal e outro camp de treinos, o que é muito desgastante, veio.

Demian Maia não sabe o que é perder desde fevereiro de 2014. De lá pra cá, foram seis vitórias
Reprodução
Demian Maia não sabe o que é perder desde fevereiro de 2014. De lá pra cá, foram seis vitórias

"A gente foi para Nova York, eu, Eduardo (Alonso), meu head coach e empresário, para assistir a luta do Woodley com o Thompson, esperando lutar com o vencedor. Estava tudo meio certo nos bastidores, ia até dar uma entrevista depois, e teve o empate. Resolveram marcar a revanche e o Edu falou para fazer um camp, para fazer o sparring na academia, com luva menor, no mesmo dia da luta dos caras. Porque, se alguém se machucasse (eu poderia entrar), e também para manter o ritmo.", disse em entrevista ao "Combate.com".

Leia também: St-Pierre elogia Demian Maia e o vê como campeão dos meio-médios do UFC

"Eu não gosto de ficar muito tempo sem lutar, ficar sem ritmo. Então, a gente fez um camp, como se fosse para lutar no mesmo dia de Woodley x Thompson 2, e acabou, uma semana antes, marcando essa luta. Fiz esse camp quase até a última semana, só não fiz nada para bater peso, a gente ia fazer para chegar perto do peso, pelo menos. Demos um descansinho e recomeçamos para este camp. Então, na verdade, mesmo sem lutar, eu fiz dois camps para esta luta", continuou.

Terceiro no ranking, Demian é o primeiro da fila para disputar o cinturão e foi forçado, pelo UFC, a enfrentar Masvidal antes ou então não lutaria pelo título. O campeão da categoria o criticou e ele rebateu.

Leia também: Jedrzejczyk exalta Bate-Estaca, mas ressalta: "Vou sair da luta com o cinturão"

"O Tyron não sabe o que aconteceu. O Tyron cada hora fala uma coisa, não dá para levar a sério. Não é uma opção minha, na verdade. Óbvio, não sou idiota, gostaria de estar disputando o cinturão. Mas existem situações de bastidores e eu trabalho para uma empresa. Então, tem horas que você tem que fazer o que você tem que fazer. E o que tenho que fazer é ganhar essa luta para disputar o cinturão", afirmou.

Cartel

Demian Maia fez sua primeira luta como profissional de MMA em 2001. Desde então, foram 30 duelos, com 24 vitórias e seis derrotas. A última, porém, aconteceu há mais de três anos, diante de Rory MacDonald, no UFC 170.

    Leia tudo sobre: luta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.