Tamanho do texto

Goleiro paraguaio comentou que só fez seu trabalho ao defender finalizações e até uma cobrança de pênalti

Um dos vilões da queda da seleção brasileira nas quartas de final da Copa América, no último domingo, o goleiro paraguaio Justo Villar mostrou modéstia nesta terça-feira ao comentar sua atuação no duelo disputado no estádio Ciudad de La Plata, que terminou com placar de 0 a 0 e foi decidido nos pênaltis.

"Coube a mim fazer o meu trabalho e assim evitei que o Brasil fizesse um gol. Gosto que se lembrem do meu trabalho, estou orgulho de ter dado isto a meu país", comentou o camisa 1 do Paraguai, que fez pelo menos uma defesa difícil em cada tempo contra a seleção: no primeiro, parou um chute de Lúcio; no segundo, evitou com os pés uma tentativa de Alexandre Pato.

Perguntado sobre os erros da seleção do técnico Mano Menezes na disputa de pênaltis, o goleiro disse que os jogadores brasileiros ficaram nervosos e que seus companheiros se adaptaram melhor ao estado ruim do gramado.

"Apesar do triunfo nas quartas de final, ainda nos falta nos consolidarmos em situações difíceis. Fizemos um jogo difícil contra o Brasil, no qual tivemos que nos posicionar muito atrás e nos mostramos sólidos", acrescentou.

Confirmado nesta terça-feira como novo reforço do Estudiantes de La Plata, Villar destacou o interesse demonstrado pelo clube argentino desde quando souberam que seu contrato com o Valladolid havia terminado. "Foram sempre muito sérios, e isso é muito importante, sobretudo pelo que o Estudiantes significa", afirmou.

A seleção paraguaia fará a segunda semifinal da Copa América nesta quarta-feira, contra a Venezuela, em Mendoza. Nesta terça, Peru e Uruguai medirão forças no Ciudad de La Plata.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.