Tamanho do texto

Com faixas e gritos em frente ao CT do clube, jogadores foram chamados de "pipoqueiros" e "paneleiros"

A torcida do São Paulo armou um forte protesto em frente ao CT do clube
AE
A torcida do São Paulo armou um forte protesto em frente ao CT do clube
Os jogadores e a comissão técnica do São Paulo se reapresentaram nesta segunda-feira sob muitos protestos. Um grupo de cerca de 30 torcedores compareceu à avenida Marquês de São Vicente para criticar os atletas com faixas e gritos.

Enquanto isso, o clube providenciava a informação de que o técnico Paulo César Carpegiani e o meia Rivaldo seguem trabalhando normalmente. Os dois teriam conversado e aparado as arestas .

Nas faixas, as mensagens acusavam o time de “pipoqueiro” pela eliminação na Copa do Brasil diante do Avaí e de “paneleiro” por supostamente derrubar propositalmente o técnico. Curiosamente, pouco depois o treinador também virou alvo dos xingamentos.

Entre os jogadores, os mais criticados foram o lateral-esquerdo Juan , os zagueiros Miranda e Alex Silva e os volantes Casemiro e Carlinhos Paraíba . Ao chegar no CT, o lateral-direito Jean teve seu carro chutado, além de verem ser arremessados ovos e pipocas.

O mais atacado, no entanto, não foi nenhum jogador ou membro da comissão técnica, mas sim o presidente do clube, Juvenal Juvêncio. Recém-eleito para o terceiro mandato consecutivo, ele foi alvo de ironia. Segurando garrafas de bebidas alcóolicas, os torcedores gritavam “eiro, eiro, eiro, Juvenal cachaceiro.

Ao contrário do que aconteceu após a eliminação da Copa Libertadores no ano passado, dessa vez os torcedores não tiveram acesso à área interna do CT da Barra Funda. Além disso, pelo menos cinco viaturas da polícia militar foram chamadas para garantir a segurança do local.

A boa estrutura do clube, tão exaltada pela diretoria, foi lembrada no protesto
AE
A boa estrutura do clube, tão exaltada pela diretoria, foi lembrada no protesto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.