Tamanho do texto

Emprestado ao Fluminense até agosto, atacante diz que só pensará na renovação no momento certo

Cada dia mais entrosado no Fluminense , o atacante Rafael Sóbis pode ter data para partir. O contrato de empréstimo do atacante com a equipe carioca vence em agosto deste ano e o clube ainda não iniciou as conversas com o Al Jazeera, dos Emirados Árabes, para a contratação do jogador em definitivo. Sem se preocupar com o futuro, o atacante diz que só irá pensar na renovação perto do final do empréstimo.

Mercado da Bola: Veja as últimas transferências dos clubes brasileiros

"Estou na torcida para que isso se resolva o mais rápido possível, mas sinceramente não passa pela minha cabeça essa questão de ter que sair ou não. Estou pensando em jogar, fazer uma boa Libertadores, até porque a chance de ser comprado em definitivo aumenta. Vou deixar para me preocupar quando chegar a hora, agora não adianta nada ficar pensando nisso", declarou Sóbis.

Rafael Sóbis também sofreu com o forte calor de Mangaratiba
Photocamera
Rafael Sóbis também sofreu com o forte calor de Mangaratiba

Bicampeão da Copa Libertadores com o Internacional (2206 e 2010), o atacante diz que já conversou com os outros jogadores sobre a importância e a emoção de conquistar o título sul-americano pela primeira vez. Experiente na competição, que irá disputar pela quarta vez, o jogador diz que tenta ajudar dentro e fora de campo.

Leia mais: Com clima descontraído, treino do Fluminense castiga goleiros

"Disputei três e ganhei duas Libertadores, não sei quanto isso ajuda, mas espero durante a competição poder acrescentar algo, não só jogando, mas falando, orientando os mais jovens. A primeira vez que você ganha é diferente. Estava falando para os companheiros que isso marca a vida toda. Ganhar é importante, mas a primeira vez marca para a vida toda", destacou o atacante do Fluminense , que aposta na experiência dos companheiros como um trunfo para a competição sul-americana.

Veja mais: Apoiado em três pilares, Flu começa o ‘projeto Libertadores’

"Temos jogadores que já disputaram Libertadores, outros que atuaram no futebol europeu. Isso conta muito. O jogador saber a hora que precisa dar um carrinho, a hora de segurar mais. Essa experiência a Libertadores pede. O jogador tem que sentir isso", finalizou Rafael Sóbis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.